Esporte

Carille lamenta revés na ida da semifinal: 'Mata-mata não te dá direito de errar'

Fábio Carille admitiu que a fraca apresentação em casa, no confronto de ida das semifinais da Copa Sul-Americana, foi determinante para a eliminação do Corinthians na competição, selada com um empate por 2 a 2 com o Independiente Del Valle, na noite desta quarta-feira, em Quito, no Equador. O técnico parabenizou o adversário pela classificação à decisão e também evitou se alongar nas lamentações pela queda da equipe alvinegra.

"Jogos de mata-mata são diferentes de pontos corridos. Mata-mata não te dá direito de errar. Fizemos uma partida muito ruim taticamente e tecnicamente. Temos que parabenizar o adversário que propôs o jogo e conseguiu jogar muito bem na nossa casa. Nós não conseguimos. E não dá tempo muitas vezes em mata-mata, não pode errar, e a gente errou muito no primeiro jogo. Aprendizado, levantar a cabeça, trabalhar e já nos preparar para domingo", afirmou o comandante, em entrevista coletiva.

O elenco alvinegro volta do Equador nesta quinta-feira e retomará os treinos na sexta. O próximo confronto será no domingo, contra o Vasco, às 11 horas, na Arena Corinthians, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. O time alvinegro ocupa a quinta colocação na tabela da competição nacional, com 35 pontos, 13 a menos do que o líder Flamengo.

Na partida em Quito, Carille fez algumas mudanças em relação ao jogo de ida, como as entradas de Ramiro, Sornoza e Boselli nas vagas de Junior Urso, Mateus Vital e Clayson. A equipe evoluiu ofensivamente, mas não o suficiente para vencer o adversário por pelo menos dois gols de diferença. Vagner Love, deslocado para o lado esquerdo, foi o principal destaque ofensivo e acertou uma bola no travessão quando o time alvinegro vencia por 1 a 0.

Boselli havia aberto o placar. Clayson fez o segundo, mas o setor defensivo não segurou as investidas do rápido time equatoriano, que em dois contra-ataques conseguiu por duas vezes buscar a igualdade e garantir a inédita classificação.

"A intenção era de ser uma equipe mais cascuda, mais experiente para esse tipo de decisão. A escolha pelo Ramiro foi pensando em uma mudança tática para esse tipo de jogo. Eu tinha pensado no Ramiro mais aberto pela direita e Pedrinho por dentro. Trazer Love para dentro e abrir o Sornoza. Ajustamos dentro de campo. Orgulho do grupo, orgulho da equipe. Ano de remontagem, difícil. Chegamos à semifinal e não passamos. Teremos 18 decisões no Brasileirão", disse Carille.

Sobre o adversário equatoriano, o técnico destacou o entrosamento. "Equipe que está há muito tempo junto, que sabe bem o que faz mesmo às vezes se arriscando. Usa bem o goleiro, abre dois de velocidade pelos lados, a gente acompanhou o jogo contra Independiente, da Argentina, nas quartas. Equipe bem treinada, jogadores experientes, jogadores jovens com muita força e velocidade. Parabenizar a equipe por ter chegado numa final, já parabenizei o técnico deles (Miguel Ángel Ramirez). Um time que sabe o que quer, um volante qualificado, um camisa 10 que abre espaço o tempo todo, mostra que, além do bom trabalho, estão há um bom tempo juntos", encerrou.