Toledo

Cidadania italiana é porta de entrada em mais de 140 países

Estudar, trabalhar e até mesmo começar uma nova vida fora do Brasil tornaram-se possibilidades cada vez mais reais entre os brasileiros, principalmente com a crise econômica e política que assola o país nos últimos anos. Dados da Receita Federal mostram que mais de 20 mil brasileiros solicitaram a declaração de saída definitiva do Brasil, de janeiro de 2017 até agora - o número é quase três vezes maior do que 2011, com pouco mais de 8 mil pedidos. Dentre as alternativas legais para migrar para outro país está o reconhecimento da cidadania italiana, que vêm crescendo em virtude de muitos benefícios, como o acesso facilitado em mais de 140 países. Somente em 2016, no Brasil, foram 12 mil pedidos de nacionalidade reconhecidos pela rede consular, segundo o Instituto Nacional de Estatística da Itália (Istat).

Considerado um dos passaportes mais poderosos do mundo, o passaporte italiano oferece inúmeras oportunidades, como visto de trabalho facilitado, custos menores para estudo internacional e moradia, além de muitos benefícios legais concedidos pelo governo italiano, esteja o cidadão na Itália ou em países da União Europeia como França, Alemanha, Irlanda, Espanha, Portugal, entre outros. Dentre os países que mais oferecem benefícios aos seus cidadãos, a Itália aparece dentre as primeiras posições, junto dos Estados Unidos, Reino Unido, França, Coreia do Sul, Alemanha e Suécia. Os números são de uma pesquisa feita pela Henley & Partners com 219 países e territórios.

"Viver legalmente em outro país com o auxílio da nacionalidade europeia é uma oportunidade inquestionável, especialmente com a globalização dos empregos e estudos e uma recessão que vem deixando muitos brasileiros preocupados com o futuro", afirma Péricles Puccini Junior, da Soggiorno Italiano. O escritório, localizado na província de Brescia, Lombardia, no Norte da Itália, é especializado em assessoria para brasileiros de origem italiana que recorrem ao reconhecimento da cidadania como alternativa para migrar para outro país. Há três anos morando na Itália com a família, Puccini já foi presidente do Circolo Veronesi di Erechim, No Rio Grande do Sul, e vice presidente da Federação das Associações Italianas do Norte do Rio Grande do Sul (FAINORS). Desde 2010 trabalha com assuntos relacionados à cidadania italiana.

Hoje é possível reconhecer a cidadania italiana de duas formas: no Brasil e na Itália. Aqueles que optam pelo Brasil podem esperar em média até 12 anos para que o processo seja concluído, visto que a fila de espera é grande e a capacidade de atendimento dos consulados é pequena, se comparada à demanda. Já aqueles que querem um processo mais rápido optam pelo reconhecimento diretamente na Itália, que dura em média de 60 a 120 dias, geralmente com o apoio de assessores para auxiliar no processo.

"Apesar de ser um direito de quase todos aqueles que têm descendência italiana, faltam informações para os interessados em iniciar o processo, que não é simples e pode durar muito tempo se feito no Brasil. Muitos ainda acreditam que reconhecer diretamente na Itália pode ser "custoso demais e quase impossível", pondera Puccini.

Sobre o valor, o assessor explica que, diferente do que muitos pensam, é acessível, ainda mais se visto como um investimento. Aos interessados, a equipe da Soggiorno faz atendimento via e-mail e Skype, analisa de maneira gratuita os documentos necessários bem como orienta passo a passo para iniciar o processo. Caso o serviço seja contratado, o interessado viaja até a Itália e recebe todo o acompanhamento necessário durante a estadia e também para os trâmites burocráticos, até o reconhecimento da cidadania italiana.

A oportunidade é de fato indiscutível, mas há de ser muita atenção e cuidado. Pesquise muito antes de fechar o processo, pois, com a crescente busca pelo reconhecimento da cidadania italiana, muitos "profissionais" não passam de aventureiros que prometem coisas impossíveis e aproveitam da boa fé das pessoas e da falta de informação. Pesquise em ferramentas de busca o nome do profissional e da empresa que realiza o serviço, verifique se o profissional tem uma partita IVA válida (registro que autoriza o serviço prestado por aquele profissional), converse com pessoas que tenham feito o processo com o profissional que está em contato e certifique-se de que o comune (cidade) onde será feito o processo não está sob investigação italiana.

O processo pode ser feito ainda de maneira autônoma, diretamente pelo interessado, desde que haja um bom conhecimento do idioma italiano e da legislação sobre o processo. Também é importante conhecer o comune em que escolheu residir e estar preparado financeiramente para o período em que ficará na Itália, pois não é permitido trabalhar no país enquanto o processo é realizado.