Toledo

Colégio Vila Militar será implantado em Toledo

Equipe de Curitiba está visitando as cidades para falar sobre a expansão do Colégio Vila Militar (Foto: Caroline Hendges)

Toledo será uma das cidades onde será implantado o Colégio Vila Militar. A instituição é uma reivindicação da Associação Cultural e Esportiva dos Praças da Polícia Militar (Acast), que recebeu na manhã desta quinta-feira (15), militares de Curitiba, única cidade no Estado onde a escola já está em funcionamento desde o dia 1º de março. “Queremos que nossas crianças desenvolvam a liderança, a responsabilidade, o respeito e a disciplina. Por isso reivindicamos que o colégio seja implantando aqui em Toledo”, esclareceu o presidente da Acast cabo Ari.

Segundo explicou o assessor de implantação do Colégio major Villatore o projeto será implantado em parceria com uma instituição de educação particular da cidade. “Estamos visitando algumas cidades do estado para apresentar esse projeto e saber se alguma escola tem interesse em inserir o regime militar escolar na instituição. Após esse processo, uma equipe de Curitiba fará um treinamento para os diretores, professores e funcionários da escola. A estrutura física e de pessoal continuará a mesma, apenas o sistema de ensino que será modificado”, explicou major Villatore. Até o momento foram visitadas as cidades de Pato Branco, Cascavel, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão e Toledo. Segundo o major quatro escolas já se interessaram em implantar o projeto.

O ensino será para alunos do 6º ao 9º ano e do ensino médio. A previsão para o começo das atividades em Toledo é de três anos. “Esses alunos terão uma educação que influenciará na vida adulta. Essa é uma maneira de transformar crianças e adolescentes e também suas famílias. Não estaremos apenas educando, estaremos formando cidadãos”, acrescente o cabo Ari.

Major Villatore ainda esclareceu que o Colégio Vila Militar é de ensino particular, diferente do Colégio da Polícia Militar do Paraná, que é público e ligado a Secretaria Estadual de Educação. “Esse colégio é voltado para filhos e netos dos 24 mil associados em todo o Estado. Não tem ligação com o colégio público. Nosso objetivo não é implantar o sistema militar nessas escolas, é transformar essas crianças e adolescentes em futuros líderes”, acrescentou major Villatore.