Toledo

Consumidor deve adquirir somente lenha comercializada legalmente

As lareiras e fogões à lenha assumem a função de aquecer os ambientes nos dias mais frios. O consumidor precisa estar atento e colocar para queimar apenas as madeiras que são comercializadas legalmente. A venda ilegal fomenta o desmatamento.

O produtor que visa vender lenha precisa estar cadastrado no Sistema Estadual de Reposição Florestal Obrigatória (Serflor) e seguir toda a tramitação necessária. Já as árvores nativas é preciso ter uma autorização do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) para efetuar o corte e o transporte da lenha.

Na residência do mestre de obras Marcelo Pina sempre que o fogão a lenha aquece a casa é um pretexto para reunir a família para a roda de chimarrão. “Isso vem de geração em geração. Até meus netos gostam do ambiente. Também aproveitamos para cozinhar os alimentos”.

Conforme Pina, o hábito é tão comum na família que eles nunca pensaram em comprar aparelhos de aquecedor elétrico. Ele conta que mesmo no verão, quando a família tem vontade de degustar uma feijoada caprichada, é no fogão a lenha que o prato é preparado.

 

MATÉRIA-PRIMA

Para utilizar o fogão, o mestre de obra precisa manter o estoque de lenha. “No passado, era mais fácil comprar lenha. Hoje, em dia diante de tantos casos de desmatamento não compro lenha de quem não tem atividade regularizada. Às vezes, é difícil encontrar lenha boa para o fogo. Costumo comprar aqueles pacotes devidamente identificados vendidos nos supermercados e lojas de conveniência”.