Toledo

Febre amarela: resultado deu negativo em macaco morto encontrado no interior de Toledo

A maneira de combater a doença é a vacinação (Foto: Janaí Vieira)

Deu negativo para febre amarela o teste realizado em um macaco encontrado morto, no dia 2 de maio, entre a comunidade de Cerro da Lola e Quilômetro 41, interior de Toledo. A análise foi feita pelo Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen).

O animal foi recolhido por servidores da Secretaria Municipal de Saúde. Na ocasião, a equipe seguia para o interior exatamente para fomentar as ações de combate à febre amarela com a intensificação das vacinas.

O fato gerou preocupação entre as autoridades, pois o macaco também é uma vítima como o ser humano e o animal serve como indicativo da doença na região. Existe a expectativa de que a epizootia irá atingir a região Oeste somente em setembro. A vigilância em epizootias, mais especificamente em primatas não humanos, tem como principal ação promover a prevenção de casos humanos de febre amarela através da identificação precoce da circulação viral na população de macacos mortos ou doentes.

 

VACINA – Segundo o diretor da 20ª Regional de Saúde Alberi Locatelli a forma de combater a doença é vacinar. Ele pontua que e orientação é para que a população verifique a carteira de vacina. “A dose é única, ou seja, se a pessoa já tomou, ela está imunizada. No caso de dúvida, o indicado é receber a dose. Bebês de nove meses e pessoas que ainda não completaram 60 anos podem tomar a vacina”. Outro alerta é para as pessoas que apresentam forte alergia ao ovo, elas só podem receber a injeção após avaliação médica e em um ambiente com condições de atendimento de emergência.