Toledo

Lançado projeto que trabalha a entrega consciente à adoção

O projeto possibilita a criança quando não pode ficar na família de origem, que possa ter outro destino dentro da legalidade com preparação, apoio e acompanhamento.
Juiz da Vara da Infância e da Juventude apresentou a proposta do projeto (Foto: Franciele Mota)

Foi lançado na noite da última quarta-feira (23), no plenário do Júri do Fórum de Toledo, o projeto “Um Outro Destino – A entrega consciente para a adoção”. O projeto está ligado ao trabalho realizado dentro da Vara da Infância e da Juventude, especialmente, nas atividades do Grupo de Apoio à Adoção de Toledo (Gaat) que neste ano completa 10 anos de atuação.

A assistente social do Núcleo de Apoio Especializado à Criança e Adolescente (NAE) Rita Adriana Ruiz conta que dentro das atividades realizadas foi observado que havia algumas necessidades fora do âmbito do Fórum. “Esse projeto vem com uma necessidade de trabalhar dentro da rede do município a questão da entrega legal em adoção. “Um Outro Destino” representa isso, a possibilidade da criança quando não pode ficar na família de origem, que ela possa ter outro destino dentro da legalidade com preparação, apoio e acompanhamento”, cita.

 

PROJETO

O objetivo do projeto é trabalhar principalmente com os profissionais da área da saúde que são as pessoas que têm mais contato com as possíveis gestantes que tenham o desejo ou a necessidade de entregar o filho para adoção. “Não temos muitos casos, a maioria das adoções que acontece em Toledo não são pela entrega, são pela retirada da criança por denúncias comprovadas, negligências, maus-tratos e violências”, comenta.

Rita ainda complementa que em Toledo o trabalho do Gaat teve muitos avanços na parte de adoção. “Com o trabalho do Gaat, nós tivemos muito mais sucesso nas adoções de crianças maiores, grupos de irmãos e crianças com problemas de saúde”, lembra.

O projeto foi apresentado pela equipe do Núcleo de Apoio Especializado à Criança e Adolescente (NAE) e pelo juiz de direito da Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Toledo Rodrigo Rodrigues Dias. Ele enfatiza que o projeto “Um Outro Destino” não incentiva a entrega das crianças em adoção. “A ideia é mostrar para comunidade que existe uma previsão legal, um procedimento que o Estatuto da Criança e do Adolescente prevê para que uma mulher que tenha a intenção de entregar essa criança à adoção, procure o poder judiciário e que toda a rede saiba identificar e respeitar a vontade dessa mulher”, enfatiza.

Dias comenta que a mulher que entrega um filho a adoção ainda é censurada e vítima de preconceito. “A gente sempre falou sobre o assunto, mas nunca fez uma campanha de esclarecimento, organizada, sistematizada, conversando com a rede de atendimento que podem influir nessa decisão e nesse procedimento, preparando um material específico para divulgar”, cita o juiz.

 

ATUAÇÃO

O projeto “Um Outro Destino” tem a proposta de ser bem próximo às mães, atuando nos bairros, nas Unidades Básicas de Saúde, acompanhando as gestantes nos exames pré-natais, uma vez que muitas delas têm vergonha e medo da decisão que tomaram, e possibilitando à futura mãe e à criança que vai chegar o acompanhamento médico também.

O juiz da Vara da Infância e da Juventude conta que esse projeto também vai evitar adoções ilegais, abandonos e maus-tratos. “A sociedade quando sabe dessa possibilidade da mãe entregar o filho em adoção vai censurar menos e vai poder apoiá-la nessa decisão. Porque muitas vezes teve casos de que a mãe queria e os familiares não quiseram dar em adoção, e ela se sentiu constrangida e por vários motivos a criança foi parar em um abrigo. E assim entra num processo longo e essa criança perde parte de sua infância e também a oportunidade de ter uma outra família e um outro destino”, finaliza.