Toledo

MEC e CNE vão lançar plataforma para receber contribuições à BNCC

O Ministério da Educação e o Conselho Nacional de Educação (CNE) vão lançar uma plataforma on-line para receber sugestões e contribuições para a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Médio.

De acordo com o presidente do CNE Eduardo Deschamps, o Conselho - com o apoio da área tecnológica do Mec – vai oferecer uma plataforma para receber as contribuições dos diferentes segmentos da sociedade, referente à reforma do Ensino Médio e à proposta de BNCC do Ensino Médio.

O documento - assim como ocorreu na etapa da educação básica (educação infantil e ensino fundamental) - será o marco para orientar os currículos do Ensino Médio e estabelecer as habilidades e competências que deverão ser desenvolvidas pelos estudantes em cada área de conhecimento desse nível de ensino.

 

ÁREAS

Pela proposta entregue ao CNE, o Mec organizou a BNCC do ensino médio por áreas do conhecimento, sendo linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas. As disciplinas de língua portuguesa e matemática aparecem como itens curriculares, sendo obrigatórias para os três anos do ensino médio.

O projeto também sugere que os alunos deverão cobrir toda a BNCC em, no máximo, 1,8 mil horas-aula. Assim, as 1,2 mil horas restantes devem ser dedicadas ao aprofundamento no itinerário formativo de escolha do próprio estudante, o qual será desenvolvido pelos estados e escolas, que serão auxiliados pelo Mec por meio de um guia de orientação e apoio na elaboração das propostas.

Além disso, a BNCC – ensino médio prevê, ainda, que as escolas poderão oferecer cursos formativos em cada área de conhecimento ou combinando com outras diferentes. Também sugere a alternativa de oferta de itinerários relacionados a algum aspecto específico de uma área. Dessa forma, os alunos poderão optar por uma formação técnico-profissionalizante, cursada na carga horária regular do Ensino Médio.