Toledo

Mercado de trabalho: ADVT realiza curso de informática e promove qualificação

O curso visa capacitar esse público para o mercado de trabalho e estudos (Foto: Divulgação)

Inserir os associados no mercado de trabalho e possibilitar que eles tenham mais suporte para estudar são algumas das preocupações da Associação dos Deficientes Visuais de Toledo (ADVT). Diante desse desafio, a ideia é promover ações voltadas à capacitação. No sábado (10), teve início o curso de informática gratuito exclusivo para cegos.

“O projeto estava em discussão desde o início de 2017”, recorda o presidente da ADVT Márcio da Silva França. “Somente agora, após firmamos parceria com o curso de Sistema de Informação do Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz (FAG), de Toledo, foi possível colocarmos a ideia em prática”.

O presidente relata que a parceria permitiu ampliar as vagas disponíveis para a capacitação. Ele pontua que a Associação possui três computadores, mas com o apoio da instituição as aulas acontecem no laboratório do curso e possibilitou que dez pessoas participassem da iniciativa.

“Com apenas três máquinas não era possível atender nossa demanda. Por isso, buscamos apoio junto a FAG. Além de cederem o laboratório, o pessoal do curso é responsável por ministrar as aulas, esclarecer as dúvidas e orientar”, destaca Márcio ao acrescentar a importância do curso para os membros da Associação.

 

CAPACITAÇÃO – Ao todo serão seis encontros que devem acontecer aos sábados no período da manhã. “No início será apenas um curso de informática básica, mas depois a ideia é fazer uma capacitação avançada”, explica o presidente da ADVT.

Na área da informática, existem programas operacionais como o Dosvox que é específico para os cegos. Além disso, o mercado oferece os sistemas sonoros (aqueles que fazem a leitura da tela) como o Jaws e o NVDA. Com essa ferramenta é possível ler os textos, fazer pesquisas, navegar nas redes sociais, entre outros.

Ao avaliar o primeiro encontro, Márcio declara que ficou surpreendido com o desempenho dos participantes. Ele comenta que o grupo se manteve atento e dedicado e isso possibilitou que o conteúdo repassado fosse adiantado logo na aula inicial. A capacitação atende os associados é totalmente gratuita.

 

MERCADO DE TRABALHO - O presidente comenta que os associados têm muita dificuldade para ingressar no mercado de trabalho e que as capacitações facilitam o processo. Ele pontua que diversas pessoas possuem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e algumas já receberam a carta de suspensão. “Esse auxílio não é vitalício, ou seja, é preciso estar preparado para uma perícia e a possibilidade de corte. Por isso, pensamos em ações de preparo para que elas voltem para os bancos escolares e busquem aperfeiçoamento e assim possam trabalhar e garantir renda”, destaca.

 

INCLUSÃO SOCIAL - “Esse curso pretende trazer uma inclusão digital aos deficientes visuais, para que possam desenvolver suas habilidades quanto ao uso do computador. Esse fortalecimento favorecerá a inserção ao mercado de trabalho, aos estudos para aqueles que desejam se aprofundar, seja no ensino médio ou na faculdade, e também como crescimento pessoal e inserção social”, cita o coordenador do curso de Sistemas de Informação - em 2020 passará a ser Engenharia de Software – Fernando Giordani.

Os responsáveis pelas aulas da capacitação são os acadêmicos do oitavo período José Andres Telles Pereira e Patrick Lucas Gruhlke de Brito. O coordenador explica que o curso de Dosvox permite promover a inclusão social, pois é uma ferramenta desenvolvida para deficientes visuais que auxilia no processo de interação com o computador através do desenvolvimento de textos, manipulação de arquivos, entre outras atividades.

Giordani relata que a iniciativa é um curso inicial (piloto), mas ele destaca que poderão ocorrer outras capacitações que possam se aprofundar no uso da ferramenta Dosvox destinando-se também a práticas mais incisivas, como eventos de tecnologia voltados ao uso do computador por esse público. “O curso de Engenharia de Software planeja elaborar aplicações de responsabilidade social lançando mão de técnicas e ferramentas da Indústria 4.0, nesse sentido estuda-se o desenvolvimento de soluções para os deficientes visuais”.

 

APROXIMAÇÃO – “Outro aspecto importante quanto ao curso é a aproximação dos acadêmicos de Engenharia de Software com esse público, no sentido de desenvolver soluções de Tecnologia de Informação (TI) para eles, ou seja, esse curso contribui nessa proximidade para que possamos conhecer as necessidades e possamos em conjunto desenvolver soluções de software e hardware para eles”, finaliza.