Toledo

Prazo para fazer a justificativa do 1º turno termina hoje

(Foto: Arquivo J.O.)

Termina nesta quinta-feira (6) o prazo para o eleitor que não votou no 1º turno justificar a ausência. Essa justificativa pode ser feita pela internet no site do Tribunal Superior Eleitoral e no Tribunal Regional Eleitoral. Dos 96.077 eleitores aptos a votar em Toledo nas eleições deste ano, 14.727 não compareceram às urnas no 1º turno no dia sete de outubro, representando 15,33% de abstenção.

 

PROCESSO

Quem tem mais de 70 anos e menos de 18 anos ou é analfabeto, não precisa justificar a ausência. Nestes casos o voto é facultativo. Já o eleitor que for fazer a justificativa deve se atentar as datas para encaminhar o Requerimento de Justificativa Eleitoral – Pós-eleição: até o dia seis de dezembro, com relação a ausência no primeiro turno, e até o dia 27 de dezembro se o eleitor não votou no 2º turno. A justificativa é válida somente para o turno que o eleitor não compareceu.

O chefe de cartório da 75ª zona eleitoral do Fórum de Toledo Joaquim Bortot explica que apesar da estrutura do Fórum Eleitoral de Toledo e do apoio que os servidores dão aos eleitores que procuram a unidade, essa justificativa deve ser feita pela internet.

O eleitor precisa também apresentar junto ao Requerimento de Justificativa Eleitoral um documento que comprove o motivo da ausência no pleito. “Esse documento pode ser, por exemplo, um atestado médico, se a pessoa esteve hospitalizada no dia da eleição”.

 

AUSÊNCIA

O eleitor pode justificar a ausência às eleições tantas vezes quantas forem necessárias. No entanto, ele deve estar atento a eventual revisão do eleitorado no município onde for inscrito, uma vez que o não atendimento à convocação da Justiça Eleitoral, pode cancelar o título eleitoral. Depois do fim do prazo para justificar, o eleitor deve ir ao Fórum Eleitoral para regularizar a situação e pagar uma multa de R$ 3,51.

Quem deixa de votar e justificar a ausência três eleições consecutivas tem o título cancelado e está sujeito a uma série de punições e impedimentos. “A pessoa não pode tirar passaporte, tomar posse em concursos públicos, entre outras situações”, comenta Bertot.