Toledo

Previdência: quem está se preparando para o futuro?

A maioria da população não se planeja para garantir o futuro financeiro para quando chegar o momento de se aposentar (Foto: Janaí Vieira)

A reforma na previdência tem gerado dúvidas, discussões polêmicas e divide opiniões. A maioria da população não se planeja para garantir o futuro financeiro para quando chegar o momento de se aposentar. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com o Banco Central do Brasil (BCB), revela que seis em cada dez pessoas não se prepararam para a aposentadoria.

“Essa preparação deve iniciar ainda na juventude, fase adulta em que a pessoa está economicamente ativa”, destaca a economista Kelen Camargo. “Quem é organizado financeiramente e preocupado com o futuro sabe que essa iniciativa não é novidade. Contudo, diante da proposta da reforma na previdência, parte da população tem parado para refletir sobre o assunto e buscado medidas privadas”.

Ao analisar a pesquisa, a profissional pontua que 36% dos entrevistados justificam que não possuem nenhum tipo de plano financeiro para a aposentadoria, pois todo o orçamento já está comprometido. Apenas 41% têm se preocupado com essa fase da vida, percentual que chega a 55% nas classes A e B.

“Dados do IBGE apontam que a população brasileira com mais de 65 anos ultrapasse os atuais 9% para 25% em 2060. Isso é uma realidade. A população economicamente ativa tende a reduzir. É preciso pensar hoje em alternativas de complementação de renda para este futuro e não deixar isso para a última hora”, alerta Kelen.

 

PREVIDÊNCIA PRIVADA

Os fundos de previdência privada são algumas opções para quem não deseja depender apenas do valor recebido pelo INSS no período da aposentadoria. A economista explica que com esse mecanismo é possível escolher a periodicidade e o valor das contribuições, e dessa forma, aumentar o montante de acordo com o momento financeiro vivido.

“Essas opções de aplicações financeiras, geralmente, trabalham com quatro tipos de investidores: conservadores, moderados, agressivos e aqueles que têm data programada para se aposentarem. Os valores aplicados também podem ser resgatados em caso de desistência ou necessidade. A ideia é que realmente a pessoa tenha essa programação de reserva”, justifica.

 

FUTURO

O empreendedor José Carlos está preocupado com o futuro. “A reforma da previdência é algo que precisa acontecer devido ao déficit nos cofres públicos. Isso já me preocupa há dez anos. E na verdade passei a dar atenção para essa questão tarde demais. Deveria ter investido em um plano de previdência privada desde minha juventude”, relata.

Carlos comenta que com organização é possível ajustar as contas e pensar no futuro. “Conheço muitos amigos em melhor situação financeira que eu, mas que não pensam no momento de descansar. A produtividade do ser humano tem prazo, ou seja, tem uma hora que o corpo vai exigir repouso e neste momento, desejamos e merecemos, ter qualidade de vida, por isso, vejo que é fundamental termos essa preocupação”.