Toledo

Produtividade e rentabilidade são reflexos de uma produção sustentável

Os participantes adquiriram novos conhecimentos durante o encontro (Foto: Graciela Souza)

Atualmente, Toledo possui 2.790 propriedades rurais, sendo que 1.600 desenvolvem atividade com leite, das quais 85% são da agricultura familiar. A cidade é uma das principais produtoras de leite da região Oeste, com mais de 100 milhões de litros por ano. Para ampliar o desenvolvimento da cadeia, o Instituto Emater realizou, na tarde de quinta-feira (24), um encontro com produtores e interessados no assunto.

O engenheiro agrônomo do Instituto Emater de Toledo Luiz Faganello explica que o evento busca otimizar recursos para a produção sustentável e, desta maneira, buscar produtividade e rentabilidade.

Faganello salienta que o Instituto atende muitas famílias com a produção de leite em projetos estratégicos. “Um dos fatores que afeta a margem líquida é a reprodução. Se a vaca não criar em um determinado intervalo, a margem pode ter uma queda, porque diminui a produção do leite. Por isso, a necessidade de estabelecer critérios técnicos para que o produtor possa ampliar sua rentabilidade”.

O profissional explica que a cadeia do leite é considerada complexa. “Muitos produtores se sobressaem mesmo diante de uma crise de preço. Isso acontece porque eles possuem controle sanitário, manejo adequado de alimentação e intervalos de partos em índices técnicos”.

Infelizmente, o custo do leite ainda tem sido desafiador para os produtores. A oscilação do custo da alimentação é o que mais pesa na cadeia. “O preço do milho e do soja aumenta e, por consequência, o valor da ração amplia. No entanto, o preço do leite não acompanha. Por isso, o produtor deve ser eficiente em gastar o mínimo no máximo de produção”, afirma o engenheiro agrônomo.

 

ESTRATÉGIAS

Uma das estratégias repassadas ao produtor é fazer anotações das receitas e das despesas. “Quando ele passa compreender os índices técnicos e os econômicos consegue interferir nos momentos em que poderia causar consequências de perder dinheiro”, comenta Faganello ao mencionar que o Instituto também incentiva a geração de emprego e renda na pequena propriedade.

Além disso, ele pontua que para enfrentar os problemas, que são vários, é preciso conhecer sobre os diversos fatores que afetam a reprodução para bovinos de leite. “Podemos apontar os cuidados com bezerras e novilhas, desde o nascimento, em nutrição, higiene e sanidade, bem como para as vacas em estágio reprodutivo, onde a nutrição equilibrada, a sanidade, o conforto térmico, momento adequado para inseminação, além de outros fatores podem fazer a diferença”.

O engenheiro agrônomo relata que as boas práticas de manejo do rebanho impactam diretamente na produção de leite e, nesse sentido, o Instituto Emater auxilia os produtores rurais para esses cuidados.

No encontro, os participantes ainda acompanharam a palestra sobre “Fatores que Afetam a Reprodução de Bovinos de Leite”, proferida pelo médico veterinário Bruno Guilherme Soriano Moura, produtor de leite.

Para Moura, a principal ideia é trabalhar a prevenção. “O rebanho, depois que é positivo em alguma doença, é difícil de fazer o controle. Por isso, a prevenção ainda é a melhor escolha”.