Toledo

Programa pioneiro prepara detentos para a prova do Enceeja na cadeia de Toledo

As aulas preparatórias são ministradas pelos professores da Unioeste (Foto: Franciele Mota)

Com a finalidade de oportunizar aprendizado e trazer mais conhecimento, iniciou na segunda-feira (9), um novo projeto na cadeia pública de Toledo. O programa “Superação: um novo começo pela educação” pretende oferecer aulas preparatórias para presos que irão realizar a prova do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Enceeja).

Pelo menos 20 presos participam do projeto que acontece pela primeira vez em Toledo em parceria com a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). “O nosso objetivo é que nos próximos dois anos não tenhamos dentro da cidade de Toledo nenhum preso analfabeto. Começamos hoje [ontem], e temos uma longa caminhada pela frente”, comenta o coordenador regional do Departamento Penitenciário (Depen) Thiago Correia.

Ele explica que o projeto está dentro da proposta de modernizar o sistema prisional por meio da ressocialização, criando oportunidades para que o apenado, ao sair da cadeia, possa conseguir uma atividade profissional. “Entendemos o estudo como uma forma de modernização do sistema prisional, e estamos trazendo pela primeira vez na cidade de Toledo essa inovação”, complementa.

 

FORMAÇÃO – Correia explica que essa formação é importante porque o mercado de trabalho está cada vez mais exigente. Sem o mínimo de formação é difícil conseguir um emprego. “Não se contrata se não tem pelo menos o ensino médio. Hoje, muitos presos do sistema prisional não possuem o ensino fundamental ou o ensino médio e estamos oportunizando a essas pessoas privadas de liberdade o estudo”.

O chefe da Carceragem Aldecir Oliveira parabeniza o trabalho e salienta que a iniciativa trará grandes resultados no futuro. “As empresas exigem estudo para admitir esse detendo no retorno à sociedade, então o projeto é muito importante para nós que trabalhamos com eles detentos e, mais ainda, para eles, para que ao retornar para a sociedade, possam conseguir os devidos trabalhos e seguir sua vida”, cita.

 

OPORTUNIDADE – No projeto “Superação: um novo começo pela educação” os detentos terão aulões com professores da Unioeste a cada 15 dias até a data da prova do Enceeja, que será aplicada em outubro, na própria cadeia. “A ideia é tornar realidade para essas pessoas que são egressas hoje a condição de receber o certificado do ensino médio”, explica um dos elaboradores do programa Renan Marques.

Para ele, é uma satisfação como professor participar deste programa e ajudar na mudança e transformação de vidas através da educação. “Temos a possibilidade de tornar real e mudar a condição de vida de muitas pessoas que não tiveram a oportunidade de estudar e agora, possivelmente, vão passar nas provas e receber a certificação. E esse documento possibilita abrir portas, abrir novos horizontes”.

 

APOIO – O programa também conta com o apoio do Patronato e do Escritório Social de Cascavel. “A nossa intensão é despertar no preso a vontade de procurar e buscar conhecimento, porque se conseguirmos despertar esse sentimento nele, saindo daqui eles vão procurar isso e mesmo que fiquem aqui por algum tempo a nossa intensão é dar essa oportunidade de estudo”, pontua o coordenador do Escritório Social Sérgio Vicente.

O órgão é responsável por prestar assistência às pessoas em monitoração eletrônica e egressas do sistema prisional do Estado do Paraná. A proposta é reunir em um mesmo local, atendimentos e serviços para dar suporte àqueles, que estão em monitoramento e aos egressos, em diversas áreas, como: saúde, qualificação, encaminhamento profissional, atendimento psicossocial, assistência jurídica e regularização de documentação civil.

Vicente explica que Toledo ainda não tem uma unidade do Escritório Social, por isso que o apoio foi solicitado ao escritório de Cascavel, mas que futuramente pode ser implantado também no município. “Visto que o número de preso é grande e já comporta um escritório para atender esses presos, seja atendimento jurídico, psicológico e social”, finaliza.