Esporte

Queiroz diz que Chile é favorito e Colômbia não tem nada a perder

A Colômbia foi a única seleção a fechar a fase de grupos da Copa América com 100% de aproveitamento, mas o favoritismo para o confronto desta sexta-feira, na Arena Corinthians, é do Chile. Ao menos essa foi a avaliação do técnico Carlos Queiroz, apontando que o adversário, por ser o atual bicampeão, tem muito mais a perder no duelo que definirá um dos semifinalistas da competição, que está sendo realizada no Brasil.

"Sabemos a responsabilidade que teremos amanhã sexta. Que os jogadores estejam concentrados em fazer uma grande partida. Nós não temos nada a perder, eles é quem são os campeões. Têm grandes jogadores, já ganharam a Copa América. Sabemos que vamos jogar contra uma grande equipe, com o Reinaldo Rueda no comando, que é um amigo e que conhece muito bem a Colômbia. Mas eles sabem que vão enfrentar uma Colômbia com muita vontade para lutar. Não vai ser fácil para eles, não vamos deixar que seja", avisou Queiroz, em entrevista coletiva nesta quinta.

O confronto entre Chile e Colômbia é o mais aguardado das quartas de final, por envolver o atual defensor dos últimos dois títulos da Copa América contra o time que avançou com nove pontos. Queiroz evitou lamentar o chaveamento que forçou os colombianos a enfrentarem um rival tão tarimbado após uma primeira fase sem erros, o que incluiu um triunfo sobre a Argentina na estreia. E avaliou que qualquer equipe poderá deixar a Arena Corinthians garantida nas semifinais.

"O futebol não tem caráter de justiça, essa palavra não está no dicionário do futebol. Quantas vezes não é a melhor equipe que ganha? O futebol é um jogo fantástico em que no momento certo o melhor perde para a pequena equipe. Essa é a magia desse jogo. Ela acabaria se a justiça entrasse no futebol", comentou.

Queiroz também previu um bom confronto especialmente por causa do regulamento da Conmebol para a Copa América, que não prevê a realização de prorrogação em caso de empate nas quartas de final, com a definição do confronto indo direto aos pênaltis - nas semifinais e na decisão, os tempos extras ocorrerão se os 90 minutos terminarem com o placar igual.

"Do pontos de vista emocional e da tensão, este é um confronto diferente, porque não tem prorrogação, algo que é novo e uma surpresa. Quando você sabe que tem 90 minutos para decidir, a partida se torna mais tensa", comentou.

Após passar por Argentina (2 a 0), Catar (1 a 0) e Paraguai (1 a 0), a Colômbia encerrará a sua preparação para encarar o Chile com um treinamento a partir das 16h45 desta quinta, no Pacaembu.

Queiroz, que evitou revelar se escalará Falcao García, deve colocar em campo a seguinte formação: Ospina; Medina, Davinson Sánchez, Mina e Tesillo; Barrios, Mateus Uribe e Cuadrado; James Rodríguez, Zapata e Róger Martínez. "O futuro será definido em 90 minutos, não tem depois. Mas isso não muda a preparação, muda a estratégia e a abordagem da partida", avisou.