Exterior

Se Reino Unido decidir estender período de transição, vamos considerar, diz Tusk

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou que se o Reino Unido decidir por estender o período de transição após a saída da União Europeia (UE), no fim de março de 2019, isso será considerado pelo bloco. A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou hoje que a extensão poderia ser uma opção.

Na coletiva de imprensa que encerrou a cúpula do Conselho Europeu, Tusk disse que "sinto que estamos perto de um estágio final para chegar a um acordo, mas pode ser apenas algo sentimental". Ele afirmou, além disso, que progresso foi feito em relação ao Brexit e que as negociações continuarão "com espírito positivo".

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que também participou da coletiva, afirmou que um cenário sem acordo para o divórcio entre o Reino Unido e a UE seria "perigoso".

Sobre a Itália, no entanto, ele afirmou que o país usou todos os instrumentos de flexibilidade disponíveis e gastou cerca de 30 bilhões de euros nos últimos anos sem sanções.

Questionado sobre as negociações comerciais entre o bloco e os Estados Unidos, Juncker afirmou que ele o presidente americano, Donald Trump, continuam comprometidos com o que foi acordado em sua última reunião, e a concluir, portanto, as tratativas bilaterais.