Toledo

Servidores podem entrar em greve caso gestor não cumpra com o piso mínimo

Em Toledo, servidores eletricistas, cozinheiras, encanadores, motoristas, operador de manutenção, serviços gerais e outras profissionais lutam por um piso mínimo municipal. Na Prefeitura, uma comissão analisa essa possibilidade.
A reivindicação é já realizada pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Toledo (SerToledo). O órgão realizou um estudo sobre a Implantação do Piso Mínimo Municipal no valor de R$ 1.214,33. Alguns servidores recebem o valor de R$ 854,70 mais o pagamento de um bônus. Em 2019, com os ajustes, o recurso pode ser maior.
Conforme o estudo do Sindicato em 2018, a implantação seria possível. Contudo, no ano passado, a administração argumentou a não possibilidade, porque o índice do limite prudencial estava elevado.
Ainda em 2018, nas redes sociais, a secretária geral do SerToledo Marlene da Silva salientou que o prefeito Lucio de Marchi solicitou ao Sindicato um tempo, principalmente até que o limite prudencial diminuísse para 51,30%. O índice prudencial diminuiu e agora os servidores aguardam o posicionamento.
Na época, os trabalhadores poderiam entrar em greve, mas formalizaram a suspensão. Entretanto, de acordo com a assessoria de comunicação do Sindicato, os servidores estão em alerta.
O departamento do SerToledo relata que a secretária geral Marlene Silva foi informada – no dia 15 de fevereiro - que uma comissão seria composta para discutir a situação. “O estudo já existe e uma nova reunião está programada para o próximo dia 22”.

ENCAMINHAMENTOS
Prova disso é que na última sexta-feira (15), uma Assembleia foi realizada no Sindicato para abordar essa temática. No encontro, os servidores deliberaram que vão participar da reunião com o prefeito nesta sexta-feira (22).
A assessoria de comunicação do SerToledo informa que caso não tenha uma decisão, os servidores devem entrar em estado de greve. Em entrevistas anteriores, a secretária geral do Sindicato Marlene da Silva disse que o prefeito assumiu com os servidores – ainda em 2018 – a implantação de um piso mínimo salarial.
“Ainda paralisados, os servidores iam emplacar uma greve. Mas, recebemos um ofício do prefeito comprometendo-se com a categoria o repasse do piso mínimo, assim que diminuísse o limite prudencial”, informou Marlene.
A secretária de Recursos Humanos de Toledo Cláudia Carneiro da Silva Piacenti disse que um estudo será realizado para a implantação do piso mínimo no município. “Um comitê gestor vai analisar as planilhas”. Cláudia ainda relata que aproximadamente 370 servidores teriam o direito de receber o piso mínimo.