Toledo

Toledo registra queda na taxa de homicídios em 2017

“Se comparamos Toledo com cidades do mesmo porte, os índices de crimes contra a vida fazem do município um local atrativo para servir como moradia para pessoas de bem” (Foto: Janaí Vieira)

Combater a criminalidade é tarefa árdua. Mas quando o crime não pode ser evitado e resulta em vítima fatal, outra esfera da segurança entre em cena e trabalha para dar uma resposta aos familiares e a sociedade. Em Toledo, quem assume parte desse trabalho são os profissionais da 20ª Subdivisão Policial (SDP). Os índices de homicídios e elucidação apontam os resultados dos trabalhos desenvolvidos em 2017.

No ano passado, foram registrados 14 homicídios no município. “Do total, 12 foram totalmente solucionados; um está em adiantado estágio de investigação e o outro depende dos resultados de laudos técnicos”, relata o delegado Antônio Donizete Botelho.

Em 2016, a 20ª SDP atendeu 17 situações de homicídio no município, com a elucidação de 13 casos. Em São Pedro do Iguaçu foram registrados três crimes dessa natureza, sendo que dois já estão solucionados. Conforme o delegado, a redução de um ano para o outro não foi algo significativo, mas aponta que as ações adotadas estão surtindo efeito e que os profissionais da Área de Inteligência estão trabalhando firmemente para dar uma resposta à sociedade.

“Se comparamos Toledo com cidades do mesmo porte, os índices de crimes contra a vida fazem do município um local atrativo para servir como moradia para pessoas de bem. Iniciamos 2018, sem nenhum homicídio. Se não estou enganado, em 2011, somente no mês de janeiro tivemos nove casos. Isso indica que estamos no caminho certo e adotando medidas eficazes”, avalia o delegado.

 

TRABALHO EM EQUIPE

Na elucidação dos casos de homicídio, a 20ª SDP conta com os trabalhos da Área e Inteligência. Uma equipe de investigadores coleta dados, busca provas e analisa laudos para chegar até o culpado. No ano passado, com a reorganização da estrutura, melhorias no sistema e auxílio de equipamentos foi possível elucidar quase todos os crimes ainda em 2017.

“O trabalho só acontece porque contamos com profissionais comprometidos, que por diversas vezes cumprem exaustivas horas de serviço, porque sabem a importância que tem levar cada caso a sério. Eles ajudam a dar uma reposta aos familiares das vítimas e fazer com que a justiça possa acontecer”, destaca.

 

COMBATE AO TRÁFICO

Na visão de Botelho, ao combater o tráfico de entorpecentes é possível coibir outros crimes. Em 2017, foram realizadas cinco grandes operações. As ações resultaram na prisão de 60 pessoas. “Existe uma infinidade de outros delitos e infrações penais que podem ser evitadas quando não temos o envolvimento do tráfico. Comprovamos que ao combater a venda de drogas ilícitas estamos evitando que a criminalidade se propague ainda mais”.

 

NO ESTADO

O número de homicídios do ano de 2017 caiu 12% em todo o Paraná quando comparado com o ano anterior. No ano passado foram 2.184 casos, contra 2.476 em 2016. Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária, os números de 2017 são os menores desde 2007, quando começaram a ser elaborados os relatórios estatísticos. Naquele ano, o Paraná teve 2.687 homicídios.