Toledo

Três setores apresentaram saldo negativo na geração de empregos em agosto, segundo Caged

No acumulado do ano o município criou mais postos de trabalho (Foto: Franciele Mota)

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), Toledo encerrou o mês de agosto com saldo negativo de 66 vagas na geração de empregos. O saldo é a diferença entre as contratações que foram 1.561 e demissões que no mês foram 1.627.

Este é o quarto mês consecutivo que o município apresenta saldo negativo no Caged. O setor de serviços foi o que apresentou maior número. Foram 564 admissões e 641 desligamentos, totalizando um saldo negativo de 77. O secretário do Desenvolvimento Econômico e Tecnológico, de Inovação e Turismo Cristiano Dall’Oglio da Rocha afirma que o dado é preocupante, uma vez que o setor de serviços estava se mantendo na média e nesse mês apresentou uma queda.

“Viemos numa decrescente nos últimos quatro meses e isso representa não somente um momento local, mas uma imagem do país também. Mas sou muito otimista, se analisar o ano acumulado temos dados positivos e com o final do ano se aproximando vários setores da economia são aquecidos”, cita.

No acumulado do ano o cenário é um pouco diferente. Em oito meses o município criou mais postos de trabalho, com um saldo de 377. Foram 13.819 trabalhadores admitidos e 13.442 desligados no período. O setor de serviços é o que se destaca como mais postos de trabalho criados. Foram 5.039 trabalhadores admitidos e 4.662 desligados nos primeiros oito meses de 2018.

“Embora com todas as dificuldades, Toledo tem um acumulado positivos do ano, e esperamos que agora com esses meses de festividades e a proximidade do Dia das Crianças os dados possam subir”, complementa. 

 

QUEDA

Outros setores que apresentaram saldo negativo em agosto na geração de emprego foi o a indústria de transformação e a agropecuária. A indústria de transformação contratou 392 trabalhadores em agosto e demitiu 422, com saldo negativo de 30. Já o setor da agropecuária fez 64 contratações e 76 desligamentos, com saldo negativo de 12.

 

REAÇÃO

Em contrapartida, os setores da construção civil e do comércio alavancaram a economia local e encerraram o mês de agosto com mais postos de trabalho. A construção civil admitiu em agosto 148 trabalhadores e desligou 117, com saldo de 31, e o comércio contratou 392 e demitiu 370, com saldo de 22.

“A construção civil chama a atenção pela crescente. Este setor vinha demitindo e contratando praticamente os mesmos profissionais como Microempreendedor Individual (MEI), mas agora está contratando formalmente, isso também é bom para a economia”, lembra Rocha.

Segundo o gerente da Agência do Trabalhador Valduir Fernando Ferreira de Quadra o setor do comércio pode continuar apresentando dados positivos. “Até o final do ano teremos bastante contratações no comércio, inclusive de vagas temporárias, e esperamos dados mais positivos no próximo mês”, cita.