A apoiadores, Bolsonaro diz que, apesar dos problemas, está indo bem o Brasil

Enquanto Brasil ultrapassa 465 mil mortes por covid-19 desde o início da pandemia, o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) disse a apoiadores nesta terça-feira, 3, que o País “vai bem” e “não tem roubalheira”.

“Apesar dos problemas está indo bem o Brasil, tem gente incomodada com isso”, disse. “É que não tem roubalheira, né? Tem que avisar o presidente e o relator da CPI que não está tendo roubalheira”, afirmou se referindo à Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado que investiga a conduta da sua gestão para conter a crise sanitária no País.

Sobre a CPI, Bolsonaro respondeu perguntas sobre uma possível convocação do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB). “O que eu sei é que o MP (Ministério Público) pediu o destino do dinheiro, mas tem governador que não encaminhou ainda. Não vou falar que ele fez mau uso do dinheiro, pode ter enfiado em outro lugar, pode ser legal, mas o dinheiro era para a saúde”, declarou.

A conversa aconteceu na entrada do Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente, após ele retornar de um passeio de moto para Formosa na cidade, que fica em Goiás, a 80 quilômetros de Brasília. Um vídeo mostra Bolsonaro sem máscara em meio a aglomeração na chegada à cidade e outro, usando máscara, em uma missa na catedral e, depois, o presidente seguiu de moto para Salto do Itiquira, um ponto turístico do município. O encontro não consta na agenda oficial do presidente. Segundo a Prefeitura de Formosa, 85% dos leitos de UTI estão ocupadas com pacientes de covid-19.

Ainda na conversa no Alvorada, um apoiador disse que o País nunca tinha tido antes de Bolsonaro um presidente patriota. “Teve de 1964 a 1985 teve”, respondeu Bolsonaro citando o período da ditadura militar no Brasil.

Bolsonaro também voltou a criticar a “política do fica em casa”. “Não existe comprovação cientifica para lockdown. Zero”, disse. A medida de isolamento social para evitar o alastramento da covid-19, no entanto, é defendida pela comunidade médica internacional.