Após citar ‘gripezinha’, Bolsonaro se solidariza com quem perdeu entes queridos

Após chamar o novo coronavírus de “gripezinha” e minimizar os impactos da doença ao longo do ano, o presidente Jair Bolsonaro gravou um pronunciamento na véspera do Natal se solidarizando com as famílias que perderam entes queridos neste ano. No discurso, gravado ao lado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, o chefe do Planalto procurou dizer que o governo federal agiu em duas frentes, na economia e na saúde, para salvar vidas e empregos. O pronunciamento foi transmitido em uma cadeia nacional de rádio e TV, na noite desta quarta-feira, 24.

“Nessa ocasião, solidarizo-me, particularmente, com as famílias que perderam seus entes queridos neste ano… Externo meus sentimentos, pedindo a Deus que conforte os corações de todos”, afirmou Bolsonaro. O presidente também expressou agradecimento e reconhecimento aos profissionais de saúde, “que continuaram exercendo suas atribuições.”

O Brasil registrou até este dia 24 190.032 mortes causadas pela covid-19 desde o início da pandemia, em meio a 7.424.430 casos confirmados. Os dados são reunidos pelo consórcio de veículos de comunicação a partir dos registros das secretarias estaduais de Saúde. O consórcio é formado pelo Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL.

Em relação às ações do governo na crise, Bolsonaro destacou o pagamento do auxílio emergencial, o financiamento a micro e pequenas empresas e a medida que compensou parte da redução de salários em empresas. Também citou os recursos financeiros repassados a Estados e municípios. “Nossos esforços sempre tiveram como foco principal a preservação da vida e de empregos, pois saúde e economia caminham juntas, lado a lado!, afirmou.

Protestos

Gritos e panelaços foram ouvidos em várias cidades do Brasil na noite do dia 24, durante o pronunciamento de Natal do presidente Jair Bolsonaro na TV. No Rio, os protestos foram ouvidos em vários bairros da capital como Botafogo, Laranjeiras, Cosme Velho, Jardim Botânico e Copacabana, todos na zona sul. Os moradores batiam panelas e gritavam palavras como “fora, Bolsonaro”.