Ex-vereador fala sobre condenação da Justiça e diz receber ameaças

Após ter sido condenado em segunda instância, acusado de praticar ato libidinoso na frente de duas menores, o ex-vereador Gilson Francisco realizou uma live em sua conta numa rede social para dar sua versão dos fatos. Segundo ele, a mãe das meninas estaria “sendo influenciada por alguém” para ele perder seus votos que o levaram ao cargo de vereador na atual Legislatura na Câmara Municipal de Toledo. Ainda de acordo com ele, que renunciou na última segunda-feira (29) ao cargo, afirmou que era apoiado por esta família que, em 2015 acabou apoiando outro candidato “e aí de repente apareceu este Boletim de Ocorrência”. Gilson Francisco comentou ainda que a família teria pedido R$ 120 mil de indenização.

“Nunca me aproximei da família. Sigo o que a Justiça me pede. Sou uma pessoa do bem. Vou manter minha cabeça erguida”, afirmou Gilson, citando ainda que é “trabalhador, honesto, sincero” e que este episódio serviu apenas para “me detonarem em nível nacional”. Ele garantiu não sentir raiva de ninguém e que irá vencer, através da fé, todas essas humilhações. “Tenho minha consciência e meu coração tranquilo. Jamais cometeria qualquer ato desse”.

Gilson Francisco afirmou que sua candidatura a vereador foi consequência de seu trabalho comunitário. “Entrei de cabeça nisso (na política) para poder ajudar aos mais necessitados”, frisou, citando as críticas recebidas após o caso envolvendo as duas menores à época vir à tona. “Valorizo minha família, mas a gente aprende com tudo isso daí (críticas e acusações)”, comentou, alegando ainda que “virei vereador porque Deus me deu essa credibilidade”.

Em várias oportunidades Gilson Francisco afirmou que todo o processo se trata de uma invenção contra ele, “mas a mentira é mais forte do que a verdade. Essa condenação foi uma armação. E tudo foi programado. Essa senhora (a mãe das crianças) é uma pessoa do mal. Eu sou a única pessoa que esta senhora denunciou, que fiz maldade com as crianças dela”.

O ex-vereador ressaltou que vai defender apenas o seu caráter e que irá responder porque “não tenho o que fazer”. Disse ainda ter se reunido pela manhã com o advogado de defesa, Almir Rogério Bandeira, e que sabe dos riscos de fazer uma transmissão como a desta quinta-feira para expor seu pensamento

“Falem bem falem mal, manterei minha rotina”, afirmou ele, citando ações de cunho religioso e do trabalho como garçom. “Não estou arrependido de ter renunciado ao cargo de vereador. A história é essa e o preço que eu vou pagar é esse”.

Ainda durante a live, Gilson Francisco reiterou que renunciou ao cargo porque a lei determina que uma pessoa condenada em 2ª instância não pode exercer cargo público “e o juiz condenou e eu vou pagar”.

Ele também comentou sobre as acusações do ex-assessor Valderi Geovani Muler e a confusão envolvendo Márcio Marchi de quem estaria recebendo ameaças. “Eu peço que a Justiça do município de Toledo olhe bem essa situação e não pratique uma difamação dessa”.

Citou ainda que o preconceito e o racismo teriam pesado contra ele, sendo também um fator para essas denúncias. “Quem sou eu para julgar a própria Justiça”, disse ele, lembrando que nesta sexta-feira (3) terá uma audiência no Ministério Público sobre o caso de suposta concussão.

Acompanhe a live:

Da Redação

TOLEDO