Justiça concede liminar para afastamento de vereador em Toledo

Em Toledo, o vereador Gilson Francisco (Cidadania) foi afastado liminarmente do cargo pela Justiça, a pedido do Ministério Público do Paraná, além de ter sido proibido de acessar e frequentar as dependências da Câmara Municipal. A partir de investigação da 4ª Promotoria de Justiça da comarca, que tem atuação na defesa do patrimônio público, o MPPR apura a possível prática de concussão pelo agente político.

Conforme a investigação do Ministério Público, o vereador teria exigido que o ex-assessor parlamentar Valderi Geovani Muller fizesse um empréstimo consignado de R$ 44 mil e repassasse a ele parte desse valor (em torno de R$ 32 mil), como garantia de manutenção do servidor comissionado no cargo. A gravação de uma conversa em que tal situação é descrita foi incluída na apuração.

A liminar que impôs o afastamento do cargo foi deferida nesta terça-feira, 23 de novembro, pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de Toledo. Além do pedido de afastamento do cargo e de manter distância da Casa Legislativa e de pessoas relacionadas ao processo, a Promotoria de Justiça havia requerido a prisão preventiva do vereador e a suspensão de seus vencimentos no cargo público, mas esses pedidos, por ora, foram negados pelo Judiciário – o MPPR vai recorrer dessa decisão.

O caso vem sendo apurado pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara de Toledo, que já ouviu Valderi e tinha agendada para esta quarta-feira (24) uma nova oitiva.

A reportagem do JORNAL DO OESTE está em contato com todos os envolvidos para mais informações que serão atualizadas em breve.

*Da Redação

*Com informações da Assessoria