O Legislativo não pode ser uma extensão do Poder Executivo, afirma Elton Welter

Após o Partido dos Trabalhadores (PT) ficar uma legislatura sem representante no Poder Legislativo, Elton Carlos Welter elegeu-se nas eleições de outubro. Com aproximadamente 960 votos, Welter é vereador pela terceira vez em Toledo. Ele, que também já foi deputado estadual, participou do programa “Fim de Tarde com o Editor”, do JORNAL DO OESTE, na sexta-feira (11) e comentou sobre os seus projetos e realizou uma avaliação do cenário político.

Welter considera a Câmara de Vereadores de Toledo mais o seu território e afirma que “pretende usar a sua experiência na política para colaborar com a cidade”. O vereador eleito disse que sua atuação será independente e vai articular boas ações para a sociedades”.

As decisões no cenário nacional envolvendo o partido refletiram nos municípios e, por isso, o PT ficou sem vereador na legislatura que encerra-se no dia 31 de dezembro. “Nestas eleições, o objetivo do partido foi fazer uma ou duas cadeiras. Eu fui o mais votado, porém o meu mandato dependeu dos outros candidatos”, comenta Welter.

Ele revela que os suplentes terão oportunidades em ocupar o cargo no Legislativo. “Eu vou permitir o espaço que é comum na Câmara de Vereadores. A retomada é para ajudar a reconstruir o partido. O PT foi motivo de pedradas e, inclusive, de partidos aliados que se aproveitaram do momento”.

AÇÕES – O vereador eleito reconhece que o partido pode ter cometido erros no passado, mas também teve acertos. “Foi um período que mais veio recursos para Toledo, como para a estruturação do Ciscopar, das Unidades Básicas de Saúde (UBSs), dos Centros Municipal de Educação Infantil (Cmeis), das habitações populares e das Universidades Federais. Foi uma luta popular e demonstra o amor e o carinho que temos pela cidade”.

Welter lamenta que muitas pessoas focaram muito nos erros e esqueceram dos projetos bons. “Existem quem ainda critique o PT, no entanto, o partido nem está no poder. Hoje, observo a falta de programas bons para executar e para auxiliar a nossa gente. Resolver os problemas locais são os desafios de muitos prefeitos. Estou preocupado com o futuro, pois teremos que fazer mais com menos dinheiro”. Na oportunidade, o vereador eleito destaca que os prefeitos devem ficar atentos para não perderem receitas locais.

ATUAÇÃO – Como vereador, Welter enfatiza que o Legislativo deve ser mais independente. “Quando o vereador começa a ceder à pressão para ter base é um desastre. Como ele irá fiscalizar ou qualificar o debate na medida que precisa? Como fiscalizar se está amarrado com a gestão? O Legislativo não pode ser uma extensão do Poder Executivo. Vários setores do segundo e terceiro escalão devem ser avaliados, a sugestão seria utilizar os servidores públicos. Para manter tudo funcionando, os servidores precisam estar motivados e compreenderem as propostas aprovadas nas urnas”.

O partido tem um projeto local para ampliar os quadros e fazer uma disputa qualificada. “Não é possível que sejamos somente os ‘patinhos feios’. A Fake News vai continuar e a mentira tem a perna mais comprida, mas ela cai. Em Toledo, serei um excelente fiscalizador, pois eu quero ajudar a cidade”.

Sobre a eleição de Beto Lunitti, Welter avalia que ele foi eleito com uma margem espremida e vários fatores o ajudaram, como as divisões dos grupos que antes estavam juntos.

REPRESENTAÇÃO – Durante a entrevista, ele também comentou sobre o fato de Toledo não ter um representante na Assembleia Legislativa. Em 2014, Welter buscou uma nova cadeira. Naquele ano, ele conquistou dez mil votos no município e 30 mil em outras cidades, mas por dois mil votos não se elegeu. Já, José Carlos Schiavinato tornou-se deputado estadual. Nas últimas eleições para deputado estadual, os votos se diluíram”. O vereador eleito avalia como sendo ruim para a cidade não ter um representante na Assembleia.

Ele destaca ainda que quando acaba uma eleição, o palanque é desfeito e é o momento de trabalhar. “Em uma cidade polo como a nossa, nós temos obrigação de indicar ações em políticas de estado. Nós devemos sistematizar conhecimento e documentar para produzi-lo”.

Uma das ações propostas por Welter é promover audiências públicas em Toledo. “Nós podemos apontar soluções para algumas áreas e parar de reclamar do governador ou do presidente. Às vezes, a solução está em uma cidade que tem mais técnico e com conhecimento que um próprio secretário de Estado”, salienta ao complementar que pretende interpretar melhor os problemas da cidade e aperfeiçoar algumas leis que provocam impactos para Toledo.

Da Redação