TCU: Dantas pede inquirição sobre auditor envolvido em dado citado por Bolsonaro

O corregedor do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Bruno Dantas, enviou um pedido à presidência do órgão nesta quarta-feira (8) para que a Polícia Federal (PF) abra um inquérito para apurar as análises que levaram o presidente Jair Bolsonaro a divulgar a notícia falsa de que documento do órgão questionava as mortes por covid-19 no Brasil. Na manhã desta quarta, o auditor Alexandre Figueiredo Costa e Silva Marques confessou à sua chefia imediata no TCU que foi ele o autor das análises.

No documento, Dantas solicita a instauração de processo administrativo disciplinar com vistas à apuração da possível prática de infração funcional cometida por Marques. Ainda, é pedido o afastamento preventivo do auditor do tribunal para não atrapalhar as investigações.

A presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministra Ana Arraes, autorizou a abertura de processo administrativo disciplinar contra o auditor, noticiou o Correio Braziliense. Marques já foi destituído de suas funções de supervisor no Núcleo de Supervisão de Auditoria do tribunal. No lugar dele, vai assumir Fábio Mafra, considerado um dos melhores auditores do TCU. Mafra supervisionará todos os trabalhos da secretaria que acompanham o uso de verbas públicas para a compra de equipamentos de combate à covid-19.

No pedido enviado à presidência do TCU, Dantas reforça que, “para sustentar a confiança pública, a conduta dos auditores deve ser irrepreensível e estar acima de qualquer suspeita, o que exige condução dos trabalhos com uma atitude objetiva, baseada em fatos, não partidária, e não ideológica em relação às entidades auditadas e aos usuários de seus relatórios”. “As partes interessadas, de maneira geral, esperam dos auditores uma atitude honesta, sincera e construtiva”, declarou.