Editorial
Basta apenas estimular

Num país onde tanto se discute as deficiências de sua educação – tanto na parte do ensino quanto da educação da sociedade em si – soa como um alento o projeto da estudante toledana Julia Coppini Schuch, aluna do Colégio Estadual Jardim Porto Alegre, que teve seu trabalho reconhecido numa olimpíada internacional, conforme mostrou reportagem do JORNAL DO OESTE em sua edição especial no fim de semana. A orientação de Julia é da agente educadora Dioneia Schauren, responsável pelo Clube de Ciências da escola. Julia e Dioneia estão dando aula a muitos professores com os resultados práticos obtidos. E isso numa escola pública!

O – bom – exemplo dessas duas toledanas deveria servir de inspiração para muitos educadores que, ao invés de ficarem se debatendo apenas no discurso raso das questões salariais ou das condições inadequadas deste ou daquele estabelecimento de ensino, poderiam descobrir que para se encontrar talentos ou ter boas ideias basta estimular. Certamente Julia é um ponto fora da curva. Mas quantos outros estão por aí, apenas esperando o momento de serem descobertos para explodirem em suas respectivas áreas de atuação, como é também o caso da atleta Júlia Bergmann, que foi homenageada na mesma quadra onde iniciou os primeiros passos no Vôlei do Colégio Incomar.

Toledo tem outros bons exemplos a serem seguidos, como é o caso do aplicativo Sou Solidário desenvolvido pelo Colégio La Salle, assim como as boas notas no Enem das escolas públicas do interior, entre tantos outros que colocam por terra discursos ideológicos e demagógicos com a expertise de quem está modificando um cenário desolador quando o assunto é o ensino brasileiro.

Estes casos citados são a prova real de existir esperança numa terra árida. Para isso basta identificar potenciais, incentivá-los e colher os frutos de projetos audaciosos e internacionalmente reconhecidos. Não é preciso investimentos milionários, salários vultuosos ou discursos eloquentes. Basta educadores ou professores dispostos a trabalhar com afinco e estudantes (ou alunos, seja lá a nomenclatura desejada) igualmente desejosos de buscar e demonstrar algo diferente. Basta apenas estimular...só isso!