Editorial
Denúncia séria!

Até hoje a impressão em geral da classe política é de um protecionismo exagerado, em especial na defesa de quem eventualmente comete algum deslize, isso sem mencionar na aprovação de medidas quase sempre benéficas aos próprios interesses, como aumentos de salários exagerados, implantação de benefícios impensados para a esmagadora maioria da população, entre outros desmandos que reforçam a má impressão em torno dos políticos e da própria política, embora essa mania não seja uma prerrogativa apenas do Legislativo, por exemplo, pois se repete em outras esferas dos poderes constituídos, como mostram alguns recentes episódios país afora.

Em Toledo a atual legislatura tem corroborado para reforçar ainda mais esta péssima impressão, seja pela incipiência da maioria dos debates, pelo exagero na apresentação de honrarias questionáveis, no aumento do número de viagens, entre outros problemas facilmente percebidos por quem acompanha mais de perto a rotina do Legislativo e suas deficiências, assim como de quem ocupa a maioria dos gabinetes. Há exceções, evidente, mas estas parecem sucumbir em meio ao turbilhão de equívocos e da baixeza nas discussões.

Neste sentido o Conselho de Ética e Decoro também vem contribuindo, pois em geral o que se percebe é uma complacência total com os colegas por parte de quem ocupa suas cinco cadeiras, entretanto, a sociedade espera algo diferente diante dos acontecimentos recentes, com denúncias seguidas contra seus membros, inclusive por parte do próprio presidente do Conselho, o vereador Marcos Zanetti contra o colega Leoclides Bisognin, até então tido como uma espécie de reserva moral dentro do Legislativo toledano e que teria cometido falta, ao menos para quem está do outro lado, gravíssima ao decidir qual o rumo de defesa do presidente da Câmara Antônio Zóio e de Ademar Dorfschmidt de maneira prévia, sendo Bisognin integrante do Conselho.

A denúncia é séria, ainda mais por envolver outros personagens profundamente com a vida política de Toledo e alguns deles com denúncias mais sérias ainda sendo discutidas na Justiça, algumas delas inclusive com condenação.

Não se trata de fazer pré-julgamento, até porque é preciso abrir espaço para ampla defesa, todavia, se diante de cinco denúncias tão comprometedoras como as apresentadas nos últimos dias ao Conselho anda for feito, melhor para todos é destituí-lo e referendar o ‘oba-oba’ no qual parece ter se transformado o Poder Legislativo local.