Adetur desenvolve levantamento de oferta turística em parceria com municípios e Unioeste

A Agência de Desenvolvimento Cultural e Turístico da Região Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu (Adetur) está desenvolvendo um projeto de levantamento de oferta turística regional em parceria com os municípios que fazem parte da região de abrangência e o curso de Turismo da Unioeste, campus de Foz do Iguaçu. 

O levantamento consiste em fazer uma pesquisa do que existe de oferta turística na região, ou seja, tudo o que o turista necessita saber quando vai para um determinado destino, compreendendo os atrativos, os meios de hospedagem, a gastronomia, os meios de transporte, as agências de viagens, tanto receptivas, quanto emissivas, entre outros. A primeira reunião de trabalho, em formato virtual, aconteceu na terça-feira, 29 de junho.

Todos os munícipios que fazem parte da Adetur Cataratas e Caminhos farão parte do projeto. Os três municípios que começarão o levantamento são Marechal Cândido Rondon, Terra Roxa e São Miguel do Iguaçu. O modelo base para desenvolver o levantamento foi inspirado na metodologia aplicada em Foz do Iguaçu, que possui um procedimento eficaz, em formato de planilha e com informações objetivas.

De acordo com a assessora Técnica e Coordenadora de Atividades da Adetur Cataratas e Caminhos, Sara Fernanda de Moraes, esse levantamento contribui para a gestão municipal de turismo. “Destacamos a importância dos municípios terem um documento como este, de levantamento de oferta turística, para identificar os empreendimentos, a infraestrutura, o que existe na área de turismo, pois isso ajuda também na tomada de decisões, no desenvolvimento de ações dentro do município, o que precisa ser melhorado, investido, captar recursos, eventos, investidores, desenvolver um roteiro turístico. Todas essas informações vão auxiliar em várias ações de desenvolvimento turístico regional”, afirma.

Conforme Sara, o trabalho será executado de uma forma simplificada. “Não estamos fazendo no modelo de inventário turístico devido a sua complexidade, a falta de equipe, recursos para isso e também porque o modelo de inventário que existe atualmente disponível pelo Ministério do Turismo está desatualizado desde o ano de 2012”, ressalta.

Segundo Sara, o trabalho contará com o auxílio de três acadêmicos do curso de Turismo, da Unioeste, campus de Foz do Iguaçu. “Dentro do cronograma do curso há o estágio obrigatório. Esses estudantes vão auxiliar os gestores municipais nessa pesquisa, colocar isso nas planilhas, nos documentos. Esse trabalho também irá contribuir no aprendizado, na formação acadêmica e profissional desses alunos”, finaliza.   

FOZ DO IGUAÇU