Estudo sobre nova praça de pedágio entre Toledo e Cascavel preocupa autoridades

Na semana passada, o prefeito em exercício de Quatro Pontes, Tiago Hansel, recebeu, no gabinete, o vereador de Toledo, Gabriel Baierle (DEM), o presidente do DEM, Lucio Elguer, e o assessor parlamentar, Jair Scarpato, que vieram tratar sobre um estudo que prevê a concessão de 3.327 quilômetros de rodovias e a implantação de 15 novas praças de pedágio no Estado do Paraná, que já conta com 25, entre elas na BR-467, trecho entre Toledo e Cascavel, algo que tem gerado preocupação para as autoridades.

A adição das 15 novas praças de pedágio está prevista no estudo feito pela Empresa de Planejamento e Logística S.A (EPL) e tratado junto com o Ministério da Infraestrutura. O estudo prevê que elas estejam em operação dois anos após a celebração dos novos contratos de concessão. Os atuais vencem no mês de novembro deste ano. Conforme a assessoria do Ministério da Infraestrutura, as audiências públicas para a discussão do modelo com a sociedade serão lançadas neste mês.

Baierle se diz contra a implantação de uma praça de pedágio na BR 467 e veio a Quatro Pontes com a intenção de convidar os vereadores do município para assinarem ofícios que serão enviados ao Governo do Paraná e Ministério da Infraestrutura manifestando a opinião. Nos ofícios, o vereador argumenta que a região Oeste possui sua economia baseada na força do agronegócio com a presença em seu território de dezenas de cooperativas que se utilizam, principalmente, de rodovias para o transporte de seus produtos e que as indústrias instaladas na região incessantemente buscam novos mercados e por isso necessitam minimizar os custos para alcançá-los.

O vereador diz que está trabalhando na discussão sobre o novo modelo de pedágio. “Pretendemos formar uma frente de vereadores da região Oeste e por isso estendi o convite aos vereadores e Poder Público de Quatro Pontes. É importante debater a forma como está sendo feita essa concessão, que é onerosa, e o que a gente quer é a tarifa mínima. Queremos unir forças para discutir”, afirma.

Baierle considera também que na região existe um grande polo universitário em que há o deslocamento de milhares de estudantes que transitam entre as cidades para a busca da qualificação e as cidades da região têm fortes ligações entre si na prestação de serviços, especialmente na área da saúde, comércio e indústria.

Da Assessoria