Parceria resultará no maior projeto de inovação do Brasil no agronegócio

O mês inicia com novidades para o setor do agronegócio. A Huawei do Brasil, o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) e a Cooperativa Agroindustrial de Cascavel (Coopavel) assinaram, no dia 1º de julho, um Protocolo de Intenções para desenvolver uma importante parceria que vai conectar o agronegócio brasileiro à tecnologia das modernas redes 5G, mais eficientes, velozes e seguras na transmissão de dados.

A expectativa é que este seja o maior projeto de inovação aberta do Brasil, voltado ao setor do agro. A afirmação é do diretor Superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido. “O agronegócio é uma das temáticas de atuação do Parque, assim, vimos no Show Rural Tecnológico uma oportunidade de trazer tecnologias desenvolvidas por nós para Itaipu, e que poderiam ir para o ambiente do agro também”. Garrido salienta ainda que uma das diretrizes do PTI é justamente atender à sociedade, gerando riqueza e proporcionando bem estar.

Além do general Garrido, participaram também da assinatura do Protocolo, o diretor de vendas da Huawei do Brasil Francisco Menezes e o diretor-presidente da Coopavel Dilvo Grolli. Em sua fala, Menezes comentou que “a tecnologia móvel 5G, além da navegação mais rápida, promete criar uma grande revolução no setor do agronegócio por meio das possibilidades de automação e geração de dados em tempo real em diversos setores da cadeia produtiva”. Sendo o Brasil, o celeiro do mundo, o agro é muito relevante para o país e a inovação tecnológica do setor é essencial para o crescimento de mercado.

Entre as ações previstas, a partir da parceria entre as instituições, está a instalação de uma moderna antena de transmissão 5G na área do Show Rural Coopavel, que garantirá suporte tecnológico para a testagem e validação de novos produtos e serviços por parte das empresas âncoras, startups e academia. “Essa parceria é a oportunidade de unir a tríplice hélice e voltar seus olhos e estudos ao agronegócio”, comenta Garrido.

ABRANGÊNCIA – O projeto prevê que a antena tenha um raio de abrangência de até cinco quilômetros, o que ampliará a capacidade das experiências concretas de campo.

Para o diretor-presidente da Coopavel Dilvo Grolli, o projeto será um grande impulso para a agricultura brasileira e da América do Sul. “Quando se faz o plantio, não é apenas a semente na terra, existe muito mais por trás disso, existe uma história sendo enterrada, e no meio dela, está a tecnologia, afirma Dilvo. “A tecnologia faz parte do plantio, da gestão do produtor rural”.

A previsão também conta com um espaço de coworking para facilitar o ambiente de trabalho das empresas e profissionais envolvidos. Assim, com a estrutura da rede 5G que será instalada, clientes e fornecedores da Coopavel, como também a indústria de equipamentos e de soluções para o agronegócio, terão a oportunidade de testar e validar diversas tecnologias disruptivas que serão permitidas com a conexão de internet de alta performance.

INVESTIMENTO – Serão investidos aproximadamente R$ 6 milhões na fase inicial do projeto. Maior parte dos recursos virá da Huawei do Brasil, líder mundial em tecnologia 5G, por meio da Lei da Informática, com aportes e execução do Parque Tecnológico Itaipu, responsável pela seleção e incubação das startups, e em ações para atender demandas concretas de inovação aberta da Coopavel e sua rede de cooperados em 21 municípios das regiões Oeste e Sudoeste do Paraná.

As soluções inovadoras desenvolvidas serão apresentadas já na próxima edição do Show Rural Coopavel, no próximo ano. “Essa parceria representa um marco para a inovação aberta no agronegócio do Paraná, e consequentemente, para o agronegócio mundial”, salienta o presidente da Coopavel.

Também estiveram presentes na cerimônia de assinatura, o diretor de negócios e inovação do PTI, Rodrigo Regis, e o reitor da Unioeste, Alexandre Weber. “Só crescemos com inovação, tecnologia e conectividade, e este é o momento de conectarmos os universitários ao agro. Aqui e agora, iniciamos uma nova etapa para o agronegócio”, finaliza o diretor superintendente do PTI.

FOZ DO IGUAÇU