Alimentação saudável: a escolha que faz a diferença

Ele é o sustento, nutri o corpo e ‘alimenta’ a alma, pois o organismo trabalha em conjunto e as escolhas sempre interferem. Cuidar da alimentação é uma prática que sempre esteve na moda. Escolher os alimentos que irão compor cada refeição dessem ser feitos de forma consciente.

“Penso sobre minhas escolhas e evito comprar coisas que não são saudáveis, posso até gostar, mas se eu não preciso evito de comprar, quando tenho em casa, já sinto falta”, relata a sócia proprietária de uma empresa familiar –  que no momento se dedica a cuidar da casa e dos familiares – Jussara Borsoi, ao declarar que quanto mais alimentos saudáveis são colocados na mesa, mais o paladar fica ‘refinado’ para as práticas da boa alimentação.

Para Jussara, a escolha dos alimentos já acontecem de maneira natural. Na casa dela, o refrigerante perde espaço para o suco natural. Ela evita comprar produtos industrializados, com conservantes e corantes, enlatadas e congelados e, dessa forma, o hábito é evitar aquilo que não é natural.

“Para que usar o extrato de tomate? Eu compro os tomates, se precisar dar uma cor, eu coloco um colorau”, brinca. “Não sinto falta disso e até já perdi o paladar. Acredito que uma série de fatores contribuíram para que eu cuidasse da alimentação. Sou de uma geração que não existia o supermercado com toda essa diversidade de opções. Nós íamos para o armazém, tínhamos acesso as frutas da época”, comenta ao recordar que as compotas, geleias, bolachas pintadas e bolos caseiros feitos pela mãe e avó.

MAIS NATURAL – Ir à feira para comprar frutas, verduras e legumes fresquinhos é um hábito de Jussara. Ela conta que prefere saborear os alimentos in natura, por isso, opta pelos alimentos da estação. Também buscar comprar as carnes direto do produtor, para saber da procedência e evitar o congelamento por tempo delongado.

“A preferência é por alimentos frescos, pois é mais saboroso. Com o tempo vamos ficando mais críticos e vemos que manter bons hábitos alimentares da resultado. Vejo essa prática como fruto da minha vivência ainda na infância. Lembro das pessoas colhendo as frutas, as verduras e os legumes que elas cultivavam nos lotes e isso é sinônimo de hábitos saudáveis, de alimentos naturais de produtos frescos”, pontua.

No quintal de casa, Jussara cultiva uma horta singela com almeirão, cebolinha, salsinha, salvia, alecrim, pimenta dedo-de-moça, um pé de jabuticaba, um de pitanga, um de amora e um de limão. Para ela, a comida fica com outro sabor quando recebe os temperos colhidos na hora; as frutas colhidas direto do pé também representam saúde e mais vitalidade.

BEM-ESTAR E ALIMENTAÇÃO – Por adotar uma conduta alimentar saudável atrelada a prática de atividade física, Jussara afirma ver os resultados no corpo e na mente. “Não tenho dores no corpo, durmo bem, minha pressão arterial é normal, meu peso corporal está de acordo com minha altura. Ou seja, estou bem e isso é graças a uma série de fatores e cuidados com a saúde”.

Jussara afirma que tudo é uma questão de equilíbrio. Para ela, é importante evitar os desperdícios dos alimentos e ser exemplo para si mesmo, pois dessa forma é possível destacar a importância em cuidar do corpo, da mente e do espírito para tudo esteja em sintonia.

“Existe um trecho do evangelho que fala que tudo que vem de fora e entra em uma pessoa não faz com que ela seja impura, mas sim, o que sai dela. Não é aquilo que ela consome, mas o jeito que consome, como escolhe a maneira que irá se alimentar. Vivemos um tempo e muito tempo com a pandemia, por isso, é importante fazer o nosso melhor em todos os aspectos”, conclui.

Dez passos para uma alimentação saudável

  • Fazer dos alimentos in natura ou minimamente processados, a base da alimentação;
  • Utilizar óleos ou gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades ao temperar e cozinhar alimentos e criar preparações culinárias;
  • Limitar o consumo de alimentos processados;
  • Evitar o consumo de alimentos ultraprocessados;
  • Comer com regularidade e atenção em ambientes apropriados e sempre que possível, com companhia;
  • Fazer compras em locais que ofertem variedade de alimentos in natura ou minimamente processados;
  • Desenvolver, exercitar e partilhar habilidades culinárias;
  • Planejar o uso do tempo para dar à alimentação o espaço que ela merece;
  • Dar preferência, quando fora de casa, a locais que servem refeições feitas na hora;
  • Ser crítico quanto às informações, orientações e mensagens sobre alimentação, veiculadas em propagandas comerciais.

Fonte: Ministério da Saúde

É preciso descascar mais e desembalar menos

A frase ‘descasque mais e desembale menos’, se refere ao consumo de alimentos mais saudáveis do que o consumo de alimentos processados. Isso significa ingerir mais frutas as quais são fontes de vitaminas, consumir mais alimentos in natura, como verduras e legumes, assim como evitar o consumo de alimentos industrializados, como os refrigerantes, embutidos, empacotados (biscoitos etc), e farinhas brancas. Desembalar menos e descascar mais ajuda a alcançar uma alimentação mais saudável.

Da Redação

TOLEDO