Baixa umidade relativa do ar: hidratação é fundamental

Depois de dias de ‘veranico’ e baixa umidade relativa do ar, o clima deve mudar nesta semana. Conforme o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), na próxima quinta-feira (27) a mínima dever ser 14ºC e a máxima 19ºC com 98% de probabilidade de chuva. Para que o organismo não sofra, de maneira tão acentuado, os impactos das mudanças climáticas é preciso estar em alerta.

O diretor da Secretaria de Saúde, o médico Fernando Pedrotti, pontua que é fundamental entender que quando a umidade relativa do ar permanece entre 50% a 60%, o organismo se mantém em condições favoráveis. Contudo, quando ela fica abaixo dos 30%, o médico explica que existem o estados de atenção e de alerta, por isso, é importante estar atento as condições climáticas.

“Quando a umidade relativa do ar está baixa pode ocorrer o ressecamento das vias respiratórias, dos olhos e da pele, também aumenta o risco de desidratação. O corpo pede mais líquido, o suor evapora mais rápido e, com isso, a gente nem percebe que está perdendo líquido e surgem os sintomas que podem desencadear crises de asma e das alergias respiratórias”, cita o médico ao destacar que diante da pandemia a coriza já deve colocar a pessoa em sinal de alerta, pois pode ser um sintoma de Covid-19.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o nível ideal de umidade do ar para o organismo humano deve estar entre 40% e 70%. Quando a taxa fica abaixo 30% é preciso ficar em alerta, pois essa condição pode acarretar prejuízos para a saúde. O Ministério da Saúde, alerta que a baixa umidade do ar afeta diretamente a hidratação do organismo e dificulta todo o funcionamento do corpo, pois a água é fundamental para as células do organismo, ajuda a eliminar toxinas, transporte nutrientes, auxilia a lubrificar as mucosas e atua no processo de regulação da temperatura corporal e funcionamento dos órgãos.

CUIDADOS COM A SAÚDE – “No fim do inverno e início da primavera é um período mais comum de baixa da umidade relativa do ar. Por isso, é importante evitar fazer atividades físicas e ficar exposto ao sol no horário das 11 horas às 16 horas. Outros cuidados é ingerir bastante líquido para manter o corpo hidratado, evitar de varrer os cômodos e sim passar um pano úmido – isso já ajuda a aumentar a umidade relativa do ar – se possível umidificadores de ambiente, coloca toalhas molhadas também ajudam. Não recomendamos encher recipientes com água, pois isso, pode ocasionar algum tipo de acidente”, destaca o médico.

Pedrotti orienta que além do consumo de líquido seja adotada uma alimentação balanceada para que o organismo possa se manter saudável. Outra dica, diante da baixa umidade relativa do ar, é optar usar peças de roupas feitas com tecidos de algodão, pois são menos quentes e mais difíceis da pele apresentar algum tipo de alergia. “Além disso, evitar aglomeração é algo fundamental. Em ambientes fechados todos acabam ‘respirando o mesmo ar’ e é mais fácil contrair alguma doença”, salienta.

Da Redação / TOLEDO