Sem glúten: cortes precisam de cuidados e orientação profissional

Cortar o glúten do cardápio para emagrecer é uma opção de diversas adeptos da dieta conhecida glúten free. Apesar disso não ser tão atrativo no inverno, este período também é propício para a perda de peso. A dica é procurar um profissional para a realização de uma avaliação e análise do cardápio a ser aplicado.

“A dieta glúten free tem sido utilizada para emagrecer. Esse tipo de alimentação elimina vários alimentos, como pão e bolos, por exemplo, essa retirada do glúten diminui o valor calórico ingerido e facilita a perda de peso dentro de uma dieta de emagrecimento”, esclarece a nutricionista, Deise Baldo.

A profissional pontua que não existem motivos para eliminar o glúten da dieta se a pessoa não apresenta intolerância a essa proteína. “Quando a pessoa cortar o consumo de massas, pães e bolos, por exemplo, ela acaba tirando algumas das principais fontes de carboidrato para o seu organismo. Por isso, é importante procurar apoio profissional para de fato adotar a conduta alimentar de acordo com as necessidades do paciente”.

Deise comenta que o consumo de glúten, de maneira isolada, não é responsável pelo aumento de peso. Ela alerta que o sobrepeso é causado pela ingestão excessiva de alimentos que o contenham, como pizzas, pães, bolos, e massas em geral. A nutricionista pontua que os pacientes que emagrecem quando adotam a dieta sem glúten podem emagrecer não pela exclusão desse nutriente, mas porque o consumo de calorias foi reduzido.

O QUE COMER? – “Entre os alimentos que podem ser utilizados para substituir a farinha de trigo, podemos utilizar o arroz e seus derivados (farinha de arroz), milho e seus derivados (farinha de milho, fubá e amido de milho), a batata (fécula de batata) e a mandioca (farinha de mandioca, polvilho azedo e polvilho doce). Outra a opção é a farinha de sorgo que é naturalmente sem glúten e nutritiva”, declara.

A nutricionista orienta que o glúten pode ser substituído por vegetais, carnes e peixes, frutas em seu estado natural, grãos e ovos, por exemplo, integram a dieta. “O ideal é evitar o consumo de carnes à milanesa, embutidos, como salame, salaminho e salsichas, condimentos como temperos industrializados que podem conter glúten”, declara ao citar que em relação aos doces e industrializados é preciso saber que se contêm alguma farinha com glúten. “Esses hábitos alimentares são fundamentais para manter a qualidade de vida”.

Da Redação

TOLEDO