Agentes de endemias retornam ao Jardim Independência e realizam orientações

Um mosquito não é mais forte que um país inteiro, esse é o texto de abertura do material do setor de Combate e Controle às Endemias de Toledo para trabalhar a conscientização e evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Atualmente, o município está com cinco casos autóctones confirmados e 208 notificações. Além disso, 17 exames aguardam os resultados e 186 foram descartados.

De acordo com a coordenadora de Combate e Controle às Endemias Lilian Konig, tampar os tonéis e caixas d’água; manter as calhas sempre limpas; deixar garrafas sempre viradas; colocar areia nos vasos de plantas; retirar sempre a água dos pneus e manter a lixeira bem fechada são algumas das orientações que serão repassadas pelos agentes. “Eliminar o criadouro do Aedes Aedes aegypti ainda é a melhor prevenção”.

Nesta terça-feira (19), os 61 agentes de combate às endemias realizam uma atividade de conscientização da população no Jardim Independência. A região apresentou a maior incidência de infestação do mosquito, de acordo com o resultado do primeiro Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti (LIRAa). O índice chegou a 33%.

AÇÃO – Além do trabalho de conscientização, os agentes realizam vistorias no bairro e eliminações dos focos. “Os profissionais também explicarão o funcionamento do Ecoponto Itinerante programado para acontecer no dia 6 de fevereiro no bairro”, comenta Lilian.

Seis caçambas serão disponibilizadas no Jardim Independência. A coordenadora explica que os moradores poderão descartar todos os materiais, inclusive os considerados volumosos, nestas caçambas. Ela orienta que a população deverá separar cada item. “Assim, a administração consegue dar a destinação correta de cada produto”.

Conforme Lilian, os principais vilões no Jardim Independência são os lixos domésticos e os tonéis que coletam a água da chuva. “Algumas pessoas os deixam abertos e as larvas se desenvolvem no fundo. O ovo pode viver até 360 dias. Por sua vez, a fêmea pode colocar até 400 ovos”.

Diante da situação do município, a coordenadora revela que as orientações das equipes serão mais constantes com os moradores, assim como com os empresários, daquele bairro e os demais do município.

PERÍODO – É uma luta contra o mosquito e o comportamento inadequado da população. Lilian pondera que a chuva impede o trabalho dos agentes e também colabora para o desenvolvimento do mosquito. “O produto utilizado para eliminar o foco não pode ser passado com vento ou calor. Por isso, os agentes trabalham em duas frentes para realizar os bloqueios. A primeira das 6 às 9 horas e a segunda das 17 horas até por volta das 20h30”.

Bloqueios foram realizados nos bairros: Industrial, Explanada, Maracanã, Europa, entre outros. “A população ainda é a principal autora nesta história. Ela deve cuidar com a manutenção da limpeza em seu quintal e residência. Se ela realizava a limpeza uma vez por dia; agora a recomendação é vistorias duas vezes ao dia devido ao calor e a chuva”, pondera Lilian.

Ela revela que participou na coleta de dados durante o trabalho do LIRAa. “Em sete casos que visitei em um determinado quarteirão, seis delas apresentaram larvas do mosquito. A sociedade deve agir com prudência e consciência”.

NOTIFICAÇÕES – Cinco casos autóctones foram confirmados em Toledo. O número parece pequeno, mas Lilian explica que para o período (mês de janeiro) é considerado alto. “Geralmente, os casos começavam a ser confirmados entre fevereiro e março. Por isso que solicitamos o apoio da população”.

Outra situação comentada pela coordenadora é sobre os sintomas da dengue e da Covid-19. “Alguns sinais são semelhantes e os médicos estão notificando para a dengue. As pessoas realizam o isolamento social em decorrência do novo coronavírus, porém elas não retornam para fazer o exame para a dengue”, destaca Lilian.

Por sua vez, ela acrescenta que os agentes recebem as notificações. Diante da situação, eles programam os bloqueios e também realizam os trabalhos com a bomba intercostal. “Mas, não sabemos se aquela pessoa, realmente, teve dengue. Pretendemos trabalhar com essa informação com quem for notificado”. Da última semana até segunda-feira (18), os agentes realizaram em média 12 bloqueios nos bairros de Toledo.

Da Redação

TOLEDO