Alojamento Provisório continua em funcionamento no antigo CCR

Desde o mês de março do ano passado, a população em situação de rua tem sido atendida no Ginásio Aldanir Angelo Rossoni (antigo CCR), na Avenida Ministro Cirne Lima. Para prestar os serviços de acordo com as medidas de segurança e combate a Covid-19, a Secretaria de Assistência Social e Proteção à Família tem adotado todas as medidas necessárias.

Existem algumas regras de permanência no local para evitar a aglomeração e também para preservar o espaço público. As pessoas não conseguem entrar compulsoriamente, elas precisam aceitar o serviço e se comprometer a permanecer. Quem entra no acolhimento precisa permanecer no acolhimento e concordar as regras de permanência para que desse forma seja possível reduzir os riscos de contágio da doença.

“Os protocolos se mantêm os mesmos, já que a razão de ser do Alojamento foi devido a pandemia. Todos os cuidados estão sendo mantidos para garantia da proteção”, enfatiza a secretária de Assistência Social e Proteção à Família, Solange S. dos Santos Fidelis. “As pessoas que entram se mantém em área de isolamento, para posterior acessar área comum. Trabalhamos com a capacidade de 20 pessoas, mas a estrutura tem capacidade para mais caso haja necessidade”.

ENCAMINHAMENTO DOS ACOLHIDOS – A secretária explica que qualquer demanda deve ser o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas 2). Solange relata que a equipe do Serviço de Abordagem Social avalia e realiza os encaminhamentos necessários e já referencia a pessoa para acessar o Alojamento Provisório.

“Temos o limite até às 16 horas para dar entrada devido as providências de logística de organização e alimentação. Atualmente estamos com 16 pessoas no acolhimento, já tivemos mais e menos. Acreditamos que com o frio possa aumentar a demanda. A expectativa é trabalhar essa margem de cerca de 20 pessoas”, pontua a secretária.

Na estrutura montada no Ginásio Aldanir Angelo Rossoni, as pessoas em situação de rua recebem kits com materiais de higiene pessoal, acesso aos sanitários, alimentação e dormitório. Cada acolhido recebe orientações sobre os cuidados com a organização e limpeza do local, pois é uma ambiente comunitário. Além disso, eles devem fazer uso das máscaras de proteção facial e álcool em gel.

Da Redação

TOLEDO