Alunos do IFPR-Biopark desenvolvem aplicativo que facilita acompanhamento de obras

Proporcionar o acesso a uma educação focada em desafios práticos e que estimulem o pensamento crítico, visão ágil e com foco na resolução de problemas, são pilares defendidos pelo Biopark. Por meio da metodologia ativa de ensino, os estudantes são estimulados a aplicar inovação enquanto atuam em projetos reais.

Os resultados já impactam positivamente o Ecossistema e a comunidade como um todo. Um dos exemplos é o Super Builder Advisor, um aplicativo desenvolvido na disciplina “Projeto integrador” do curso técnico de Análise e Desenvolvimento de Sistemas do Instituto Federal do Paraná (IFPR), por meio do Centro de Referência Educacional IFPR-Biopark.

“Sempre fomos motivados a pensarmos em soluções para atendimento de demandas do próprio ecossistema, de forma que nós também pudéssemos contribuir para o desenvolvimento, crescimento e consolidação do território da inovação”, explica o aluno Alexandre Klock Ernzen, que desenvolveu a solução com os colegas, Gervásio Bartnik, Jhonata Fucks e Murilo Morato com orientação de Rafael Luiz Bartz.

O primeiro cliente do aplicativo será o próprio Biopark que testará a ferramenta em sua área de Engenharia Civil. A solução vai contribuir para o acompanhamento mais ágil do andamento das obras. “Será possível efetuarmos o registro diretamente na obra, em tempo real, e todas as informações são transmitidas para os responsáveis, melhorando a gestão e tornando a tomada de decisões mais ágil, garantindo melhor eficiência no emprego de materiais, mão de obra e tempo”, explica o gerente de Engenharia do Biopark, Rodolfo Domingues Possani.

Ainda de acordo com Alexandre, a ideia é tornar este projeto uma startup que possa ingressar no programa de residência de empresas do Biopark ou na incubadora do Parque, melhorando a solução e disponibilizando a mesma para outros envolvidos no Ecossistema. “Sabemos que há muito desenvolvimento por vir com novas obras de prédios, indústrias, espaços comerciais, entre outros, e esperamos que nosso aplicativo possa auxiliar em todas essas obras”, acrescenta.

AVALIAÇÃO – O bom desempenho da equipe no desenvolvimento do aplicativo também foi notado pelo empreendedor Clóvis Wichoski, da Mapperidea – empresa residente no Biopark. Após participar da banca de avaliação do trabalho, Clóvis cedeu aos alunos um ano de acesso à plataforma da empresa, que usa inteligência artificial para o desenvolvimento de softwares. “Gostei muito do projeto e alunos nota 10 merecem nosso apoio. Demos a licença de uso do Mapperidea como uma forma de incentivo para que outros alunos do Ecossistema pensem em soluções como essa”, acrescenta.

Atualmente o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas do Centro de Referência IFPR-Biopark está com 26 estudantes. Atuam também no Ecossistema a Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Universidade Federal Tecnológica do Paraná (UTPFR) e a Faculdade Biopark que oferta cursos técnicos, de graduação, pós-graduação, além do Clube de Ciências voltado ao público de 8 a 15 anos.

TOLEDO