Banco de Sangue de Toledo aguarda médico substituto para compor equipe

A Unidade de Coleta e Transfusão de Toledo (UCT – Banco de Sangue) está com o estoque baixo. A equipe de profissionais continua incompleta e isso implica nos trabalhos de coleta. Além disso, durante o ano passado, diante das restrições da Covid-19, o Banco precisou se reorganizar para atender a demanda dos 18 municípios da 20ª Regional de Saúde.

“Continuamos com deficiência de médico”, relata a assistente social do Banco de Sangue de Toledo, Melânia Aparecida Agustinha Marin. “Temos a previsão para a chegada de um médico substituto na próxima semana”, explica ao citar que esse falta de profissional, além de fatores externos, já implicaram na baixa de estoque das bolsas de sangue – a baixa atinge todas as tipagens, mas o ‘O Negativo’ por ser universal é que tem mais demanda.

Melânia comenta que com essa deficiência de médico as coletas acontecem apenas duas vezes por semana. “Com isso, o estoque acaba ficando baixíssimo e acabamos precisando recorrer a Rede Hemepar (somos parte da dessa rede e nos ajudamos quando preciso). Mas, se tudo der certo, na semana que vem voltamos ao normal”.

DOAR É UM ATO DE AMOR – A doação acontece de forma segura, não havendo riscos para quem doa. Para receber os doadores, o Banco de Sangue de Toledo tem seguido todos os protocolos das autoridades em saúde para evitar a proliferação da Covid-19. Além disso, a Unidade também montou uma estratégia para captar mais doadores.

Os interessados em doar devem ligar no (45) 3378-3752 para obter mais informações e agendar um horário. Para dar segurança aos doadores e toda a equipe, evitando aglomerações, os trabalhos de coleta acontecem apenas com horário agendado.

Com uma doação é possível salvar até três vidas, devido o fracionamento do sangue. Após ele ser coletado precisa ser processado e fracionado em hemocomponentes. Assim uma doação resulta a produção de três tipos de hemocomponentes: plasma fresco, plaquetas e hemácias. Não se transfunde o sangue total. Esse fracionamento otimiza o uso do sangue, pois o paciente só irá receber o componente que ele realmente precisa e isso garante uma melhor estabilidade na questão de estocagem.

QUEM PODE DOAR – Para ser um doador é preciso estar em boas condições de saúde; ter entre 16 e 69 anos (a novidade é que adolescentes entre 16 e 17 não precisam mais estar acompanhados dos pais ou responsável, basta ter uma autorização assinada pelo tutor e no ato da doação ter um adulto responsável legal acompanhando. Acima de 60 anos só se já for doador); ter peso superior a 50 quilos e apresentar um documento oficial com foto. Homens podem doar a cada 60 dias e até quatro vezes em um ano. Já as mulheres, a cada 90 dias e até três vezes em um ano.

Da Redação

TOLEDO