Biogás: RenovaPR promove reunião para adesão ao Programa

Com a adesão de mais de 1800 produtores com valor de mais de R$ 300 milhões em projetos, o Programa RenovaPR está com números impressionantes para apenas sete meses de funcionamento. No entanto, o desafio é que deste total menos de dez projetos são de biogás até o momento.

Com o objetivo de realizar uma avaliação com as empresas de biogás cadastradas no RenovaPR para atuarem no Oeste do Paraná, nesta sexta-feira (1º de abril), acontece uma reunião, no Centro de Eventos Ismael Sperafico, a partir das 8h. O encontro é realizado durante a programação do InovaMeat.

De acordo com o coordenador do RenovaPR, o engenheiro agrônomo Herlon Goelzer de Almeida, a equipe pretende identificar os problemas apresentados pelos produtores e analisar as sugestões de estratégias. “Juntos – Governo do Estado e empresas atuantes no biogás/biometano – faremos crescer o número de projetos de biogás/biometano na região”.

Almeida explica que a situação diagnosticada no Oeste acontece em outras regiões do Paraná. “A diferença é que a região Oeste possui a maior concentração da cadeia de suinocultura, gado de leite, avicultura, sistema de produção e cadeias produtivas que possam gerar biogás. “Nós temos baixa demanda por biodigestão e queremos fazer uma análise com aquelas empresas que prestam serviços e alguns quadros técnicos do IDR”.

AÇÕES – Ele pontua que é preciso identificar se existem erros de estratégias no RenovaPR ou se ainda é preciso adotar novas maneiras para convencer os produtores de que essa atividade é boa. “Não podemos ter dúvida que biogás é algo extremamente lucrativo para os produtores rurais, inclusive mais do que solar e qualquer outra modalidade”, afirma Almeida ao complementar que a equipe precisa entender se está passando o recado de maneira adequada ao produtor rural ou se é necessário mudar a estratégia de convencimento.

O coordenador do RenovaPR destaca que o biogás é altamente viável. “É uma atividade financiada por bancos, inclusive o próprio Programa realiza o pagamento do subsídio da taxa de juros”. Ele cita como exemplo que na semana passada, um produtor de Francisco Beltrão fez o investimento com o uso de fertilizante e em menos de três anos ele deve pagar o investimento.

Da Redação

TOLEDO