Caged: Toledo abre mais postos de trabalho em setembro

Há três meses, a economia de Toledo apresenta reação em meio a pandemia da Covid-19. Dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), de setembro, apontam que o saldo de novas contratações ficou em 246 no município, um resultado de 1.797 admissões e 1.551 desligamentos.

As informações foram divulgadas no final da tarde de quinta-feira (29) e mostram uma curva crescente de contratações no mercado de trabalho de Toledo: em julho foram 32 novas contratações; em agosto 121.

Para o professor do curso de Economia da Unioeste e Ph.D. em Desenvolvimento Regional, Jandir Ferrera de Lima, o saldo do Caged é muito positivo, porque não apresenta perda de emprego. Pelo contrário, ele mostra postos de trabalho abertos no município. No entanto, ele cita que cabem avaliar alguns elementos que são importantes.

“Com os dados positivos do mês de setembro, Toledo começa a recuperar o total de empregos perdidos nos meses de abril e maio, quando foi o auge do ‘lockdown’, e agora recupera esses empregos. Mas, especificamente, a maior perda de empregos ocorreu em Comércio e Serviços que são os setores que apresentam recuperações lentas em termos de contratações”.

Lima enfatiza que as contratações na Indústria e na Construção Civil compensam os postos fechados nos setores de Comércio e Serviços no primeiro semestre deste ano. “A partir de novembro inicia o período natalino e a tendência é que com as vagas temporárias possa recuperar o que se perder nos setores de Serviços e Comércio”.

 

NOVAS OPORTUNIDADES – Em setembro deste ano, o setor da Indústria de Transformação detém o maior números de postos de trabalho abertos. Foram 101 novos empregos no setor. O período registrou 587 contratações e 486 demissões.

Os setores do Comércio e de Serviços também apresentaram expressivos números de novas contratações. Foram 446 admissões e 368 desligamentos no Comércio com um saldo de 78 novas oportunidades de trabalho no mês e uma variação de 0,82%. Em Serviços foram 64 novas vagas abertas, um resultado de 607 contratações e 543 demissões, uma variação de 0,35%.

A Construção Civil também se destacou em setembro com saldo de dez novas contratações, resultado de 142 admissões e 132 desligamentos. Já o setor da Agropecuária apresentou saldo negativo de sete postos de trabalho fechados, resultado de 15 contratações e 22 demissões.

 

RELIDADE LOCAL – Apesar do saldo geral positivo no município, o economista Jandir Ferrera de Lima comenta que alguns fatores influenciam o mercado de trabalho de Toledo. Um deles é com relação a qualificação.

“Na Agência do Trabalhador há vários postos abertos, porém não há trabalhadores qualificados para assumir esses postos. Nesse sentido, a qualificação do trabalhador é muito importante para que se possa sanar e compensar empregos em setores que demandam uma mão de obra e não há oferta abundante de pessoas qualificadas”.

O profissional pontua também que o desempenho do emprego em Toledo vai depender de alguns fatores estruturais. Um deles está relacionado como a economia se comportará caso ocorra uma segunda onda de contaminação de Covid-19 que force um novo ‘lockdown’. “E o segundo elemento é relacionado a estiagem prolongada. Houve um atraso no calendário das plantações e também há uma incerteza de como essas lavouras vão se comportar na virada do ano em função de fatores climáticos e de mercados”, conclui.

 

Da redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *