Chuva aumenta risco da dengue; agentes encontram mais de 50 criadouros do mosquito

O Setor de Controle e Combate às Endemias de Toledo reforça a necessidade da população estar atenta e cuidar para que o Aedes aegypti não nasça. Esse mosquito transmite dengue, zika e chikungunya, doenças que podem ser graves. A maneira mais eficaz de prevenção é impedir o ciclo de reprodução do mosquito transmissor.

Somente na terça-feira (26), os Agentes de Combate às Endemias (ACEs) de Toledo – em uma ação de bloqueio – encontraram 53 criadouros do mosquito nos cemitérios Cristo Rei e Jardim da Saudade.

De acordo com a coordenadora do Setor de Controle e Combate às Endemias, Lilian Konig, essa é uma triste realidade no município. “10% do trabalho é responsabilidade dos Agentes ou do Poder Público e 90% da população. Cada pessoa é responsável pelo seu quintal; pela limpeza de seu pátio e, principalmente, para eliminar os possíveis criadouros do mosquito. Infelizmente, isso não tem ocorrido em Toledo”, lamenta Lilian.

ENTENDIMENTO – Lilian explica que cada cidadão precisa compreender que a chuva interfere na atuação do ACE. “Os servidores não conseguem realizar seus trabalhos com precisão. Em alguns dias, os Agentes realizam as vistorias mesmo em turno único”.

E, foi em uma dessas ações que os Agentes encontraram 53 criadouros do mosquito nos Cemitérios. Ela salienta que os familiares ou amigos levam aos entes queridos flores em vasos ou com os plásticos. “Com a ocorrência da chuva, a água fica depositada nestes locais e, infelizmente, as análises são positivas para o Aedes”, afirma Lilian ao pontuar que larvas são encontradas em bromélias, fontes de água, plásticos e vasos de outros plantas.

Ainda na terça-feira, os Agentes realizaram o bloqueio de um caso suspeito e encontraram 24 focos do mosquito no bairro La Salle. “O mosquito Aedes é diferente do coronavírus. Nós conseguimos enxergá-lo e sabemos que se eliminado não vai proliferar a doença. Ao contrário do coronavírus que é um inimigo oculto. Nós sabemos como podemos ser contaminados, porém não o enxergamos a olho nu”.

RESPEITO – A coordenadora salienta que muitas pessoas questionam ao Agente se a vistoria também acontece em lotes baldios ou matos. “É triste, porém nem todo o cidadão recebe bem o servidor. Estou acompanhando o trabalho de cada Agente e estou preocupada como os profissionais estão sendo tratados pela comunidade. Sim, o ACE realiza o seu trabalho em todos os locais do município. Neste momento, o grupo atua nos casos notificados”.

Lilian revela que o trabalho é difícil e ele fica mais complexo sem a colaboração da sociedade. “Alguns moradores não aceitam a orientação do Agente e em casos mais preocupantes eles não o recebe. No passado, eu já fui Agente e observo que o grupo enfrenta dificuldade semelhante na minha época”.

No período da tarde de ontem, os Agentes realizaram bloqueios no Jardim Porto Alegre e no Tancredo Neves. “Estamos com muitas notificações. A comunidade deve estar atenta que é papel de cada morador vistoriar o seu ambiente. Diante da necessidade, eliminar um possível criadouro”.

Lilian insiste que Toledo como os demais municípios da região necessitam da conscientização da população. “Nós estamos fazendo bloqueios, eliminando criadouros e o trabalho com o bomba costal. Pedimos para a população deixe a casa aberta”.

Do dia 1º a 26 de janeiro, o Setor registrou 37 notificações, sendo cinco casos autóctones. “O cidadão é notificado como suspeito para Covid-19, mas também para dengue. Atualmente, o Agente entrega a guia e essa pessoa deve coletar o exame no 11º. A sorologia pode ser realizada a partir do sexto dia até 30 dias após a notificação”. Até ontem, 19 exames aguardavam por resultados e 18 foram descartados. Toledo não registra caso importado.

ESTADO – O boletim semanal da Dengue publicado ontem (26) pela Secretaria de Estado da Saúde registra 1.946 casos confirmados. São 139 casos a mais que o informe anterior que apresentava 1.807 confirmações. Os dados são referentes ao atual período epidemiológico com início em agosto de 2020 e término no final de junho de 2021.

“A dengue continua sendo uma das prioridades da Sesa que segue dando apoio técnico às 22 Regionais de Saúde e às equipes de Vigilância Ambiental dos municípios paranaenses; nossos profissionais monitoram diariamente as ocorrências e estão à disposição das cidades para orientações em relação ao enfrentamento da Dengue”, informou o secretário da Saúde do Paraná, Beto Preto.

Comparando o total de casos desta semana com o mesmo período do ano passado houve uma redução significativa. Em janeiro de 2020 a semana epidemiológica somava 7.618 confirmações e nesta semana o Estado totaliza 1.946.

Na 20ª Regional de Saúde de Toledo, o diretor Alberi Locatelli revela que a principal preocupação é o período de chuva. Hoje [ontem], uma videoconferência com informações sobre a dengue foi realizada”. Locatelli complementa que a Regional vai trabalhar com os municípios para realizarem os levantamentos dos Liraa, trabalhos para eliminar os criadouros e orientações com a população”.

Da Redação*

TOLEDO

*Com informações da Agência de Notícias da Paraná