Clube de Ciências do Jardim Porto Alegre retoma atividades em fevereiro

A produção de conhecimento é essencial para a formação de uma sociedade consciente de seu papel. A pesquisa é uma ferramenta que colabora com esse processo. Para o estudante, ela tem papel fundamental, pois possibilita novas descobertas. Além disso, a pesquisa atua na orientação para a construção de textos a partir do material de pesquisa. No Clube de Ciências Cientistas do Jardim, do Colégio Estadual Jardim Porto Alegre, esse saber é colocado em prática desde o ano de 2014.

A pandemia iniciada em meados de março 2020 diminuiu o ritmo de trabalho do grupo, porém os estudos e as análises tiveram continuidade. Artigos foram elaborados e inscritos nas feiras. Os resultados, de acordo com a coordenadora do Clube de Ciências Dionéia Schauren, são considerados excelentes.

No ano passado, os jovens cientistas participaram de 25 feiras e receberam 121 prêmios. Das premiações recebidas em 2020, os estudantes ganharam 52 credenciais para eventos que acontecem neste ano, sendo 25 nacionais e 27 internacionais. Fazem parte do Clube de Ciências em média 30 estudantes.

As atividades no Clube de Ciências devem retornar no próximo dia 8 de fevereiro. Dionéia comenta que as pesquisas tiveram continuidade mesmo no período de festas do final de ano. “Eu e os estudantes retornaremos com as atividades de forma presencial, porém eles desenvolverão os seus trabalhos em forma de rodízio para evitar a aglomeração. Nós ainda precisamos manter todos os cuidados para evitar o contágio ou a proliferação do novo coronavírus”, salienta a professora.

ORGANIZAÇÃO – Neste ano, os estudantes devem participar de 52 feiras. Dionéia explica que mesmo com a informação que a vacina contra a Covid-19 estará disponível, em breve, para toda a população; muitas feiras devem acontecer ainda no formato virtual.

“Existe a expectativa de participarmos das feiras de maneira presencial, no entanto, não sabemos como a pandemia será observada ou analisada pelos organizadores dos eventos. Assim como os países serão restritivos em relações as feiras”, destaca a coordenadora do Clube ao complementar que é preciso aguardar o posicionamento de cada organização. “O que nós já sabemos é que algumas feiras serão virtuais neste ano e outras, infelizmente, não poderemos participar devido ao elevado investimento para a inscrição”.

DIFERENÇA – Dionéia enfatiza que o seu principal objetivo é fazer a diferença na vida dos estudantes. “Isso já me satisfaz. Eu gosto da ideia de proporcionar para eles algo que não tive durante o meu ensino. No Clube, os estudantes possuem a oportunidade de conhecer o mundo da pesquisa e também outros países e culturas. Além de apreciarem estudos e despertarem novos objetos de estudos”.

Ela complementa que o Clube de Ciências é uma ferramenta para revelar novos cientistas. “Muitos estudantes apresentam afinidades com a área e levam isso para suas carreiras; eles seguem os estudos no Ensino Superior. Me sinto orgulhosa”.

Da Redação

TOLEDO