Coletivo apresenta demandas e solicita ampliação de políticas públicas para mulheres vítimas de violência

Representantes da Associação Tenda Mariellas, organização pela defesa ampla e universal das mulheres, e o Coletivo Juntas reuniram-se na manhã de ontem (5) com o prefeito Beto Lunitti e com a secretária de Políticas para as Mulheres Jennifer Teixeira para informar sobre a situação de uma mulher vítima de torturas que fugiu de cativeiro e solicitar atendimento imediato ao caso. Também foram apresentadas exigências de implementação e ampliação de políticas públicas voltadas para mulheres.

Entre as exigências para o caso apresentado, estavam a concessão de aluguel social em local seguro e sigiloso, bem como auxílio emergencial para mãe e filho, atendimento médico e hospitalar emergencial para ambos, além de tratamento psiquiátrico e psicológico. Ainda, diante do quadro de alienação parental sofrido pela criança, exigiram que em todo o atendimento dado à mãe e filho fosse trabalhada a restituição e fortalecimento dos vínculos familiares.

ACOLHIMENTO – A coordenadora estadual do Coletivo Juntas Giana De Marco comenta que uma mulher, quando faz uma denúncia de violência doméstica ou casos de tortura precisa ser encaminhada para um local seguro e que seja acolhida neste espaço e acompanhada. “O aluguel social pode ajudar no primeiro momento, mas é algo temporário. É necessário um local, uma Casa Abrigo, que proporcione toda a estrutura que essa mulher precisa para se recuperar e retomar a vida”.

A criação de uma Casa Abrigo para acolhimento de mulheres e crianças em situação de vulnerabilidade e violência foi enfatizada na reunião com a administração municipal. Além disso foi pontuada a importância de campanhas de prevenção, bem como de atendimento humanizado e imediato à mulheres vítimas de violência, como a ampliação do atendimento da Delegacia da Mulher, com plantão 24 horas.

“Esse atendimento 24 horas é importante, porque muitas agressões/violências ocorrem a noite, e quando a mulher consegue fugir, sair de casa de madrugada, ela vai procurar o órgão público e se não tiver atendimento 24 horas ela ficará, novamente, vulnerável ao agressor. Por isso, que esse atendimento contínuo é importante”.

AÇÕES – Entre as demandas, também foi apresentada a necessidade de realização de capacitação dos servidores públicos para acolhimento e encaminhamento de mulheres, reuniões com associações de comerciantes para inclusão de estabelecimentos comerciais na divulgação de campanhas contra a violência doméstica, e grupo de trabalho intersetorial entre as Secretarias para fortalecimento das campanhas de prevenção e atendimento.

“O prefeito se comprometeu a movimentar a Secretaria de Políticas para Mulheres para o atendimento de emergência para o caso que apresentamos e as demais demandas houve um compromisso de criar um grupo de trabalho para pensar em políticas públicas e buscar com o Governo do Estado para auxiliar a Delegacia da Mulher e a Casa Abrigo. Vamos acompanhar a movimentação desses assuntos e cobrar as ações”, afirma Giana.

Durante o encontro, o prefeito Beto Lunitti se manifestou bastante solidário à vítima e reafirmou o compromisso com o combate a estas situações. “Precisamos proteger todas as vítimas. Temos um caso que veio à tona e que não pode ficar apenas como estatística”, disse Beto Lunitti. O gestor municipal ainda reforçou a necessidade de construção de soluções conjuntas. “Temos que aproveitar este momento, fazer as coisas para o bem das pessoas. Precisamos colocar o setor público e a economia a serviço da vida”, frisou.

COMPROMISSO – A secretária de Política para as Mulheres (SPM), Jennifer Teixeira, comenta que a reunião com o coletivo das mulheres foi muito positiva e a Secretaria se colocou disposição para dialogar sobre este e outros casos. “A defesa intransigente da vida de todas as mulheres é nosso ponto de partida e nosso horizonte, queremos que todas estejam vivas e com sua dignidade estabelecida”.

Jennifer ressalta que Município oferta este serviço e quer qualificar ainda mais, sendo este o compromisso assumido na reunião que é fortalecer a articulação intersetorial para atender a todas as mulheres, fazer os encaminhamentos a partir do que o Município já oferta e acolher a todas as necessidades de cada uma que precisar.

Entre as ações já oferecidas pelo poder público municipal está o aluguel social e bolsa auxílio por meio do Programa Emancipar, atendimento médico, hospitalar e acompanhamento psicológico para a mulher e a criança, monitoramento da Patrulha Maria da Penha, apoio para o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários e posterior auxílio ao seu retorno para o mercado de trabalho. “Para além disso, queremos buscar ainda mais o fortalecimento de estratégias de prevenção às violências, igualdade de condições entre homens e mulheres e emancipação feminina”, finaliza a secretária.

Da Redação*

TOLEDO

*Com informações da Assessoria