Comitiva faz visita aos terrenos para centro de atendimento das PCD’S

Mesmo com muita chuva, no domingo (31) uma comitiva formada pelos representantes da Associação dos Familiares e Amigos dos Autistas e do Movimento Re-Criare Down visitou duas áreas pertencentes ao município. A intenção do Governo Municipal, representado pelo prefeito Beto Lunitti e o vice Ademar Dorfschmidt, era apresentar os locais para a instalação de um centro especial para pessoas com deficiência (PCD’s). Os terrenos vistoriados estão localizados no Loteamento Schneider e na região do Jardim Gisela e a demanda mais urgente para as entidades é a construção do Centro de Equoterapia.

A intenção é criar um espaço – que durante as discussões está sendo chamado de ‘Centro Especial para Pessoas Especiais’ – para atender as PCD’s de todas as faixas etárias. Segundo a representante do Movimento Re-Criare Down, Iria Scharwzbold, a área no Loteamento Schneider tem uma metragem maior e, em uma conversa prévia com integrantes da comitiva, seria ideal. “Temos várias demandas relacionadas às estruturas para atendimento, por isso o terreno maior, mesmo que não sendo totalmente edificado no início, é melhor”. 

Iria acrescentou que o desejo é ter, além da equoterapia, a construção do módulo para as fisioterapia, terapia ocupacional e a casa abrigo para os idosos com deficiências. “Uma das grandes preocupações de pais e familiares de PCD’s é o cuidado quando eles não estiverem mais presentes. Isso aflige muito”. Iria ainda completou que um espaço único facilita para quem é cuidador acessar os atendimentos. 

O vice-prefeito Ademar Dorfschmidt acompanhou a visita e afirmou que os dois locais possuem características interessantes. “No Gisela, apesar de mais centralizado, a metragem do terreno pode comprometer a implantação do conjunto de estruturas que iremos incluir no planejamento para o Centro. Já o do Loteamento Schneider – região do São Francisco – comportaria tudo que os familiares nos apresentaram como demanda e poderemos trabalhar realizando a instalação de forma modular”, disse o vice Ademar Dorfschmidt. 

Começar com a equoterapia é o primeiro passo, porém as famílias sonham com outros aparelhos. O prefeito Beto Lunitti afirmou que os diversos equipamentos sonhados não chegarão todos de uma vez, porém é preciso começar. “Talvez seja trabalho para vários anos, para além de uma gestão. Temos a vontade de fazer e vamos iniciar”. Lunitti disse ainda que nos próximos dias será realizado um encontro envolvendo, além dos representantes da Associação dos Autistas e do Re-Criare Down, outras entidades que representam as PCD’s. “Tudo vai ser analisado. Foi acertado que faremos uma conversa ampliada para posicionar também outros grupos que têm o mesmo objetivo”.

Para a presidente da Associação dos Amigos e Familiares dos Autistas, Danúbia Portolan, a demanda pelo Centro de Equoterapia é antiga e contribui para as questões relacionadas ao equilíbrio e à socialização das PCD’s. “São 11 anos de luta para poder contar com esse benefício para nossas crianças. Os autistas e demais PCD’s evoluem muito bem quando contam com este tratamento”. Além disso, a possibilidade de, futuramente, instalar com outras estruturas agradou a comitiva. “É o começo de um sonho. Vamos trabalhar muito junto com a administração para concretizar”, concluiu.

Da Prefeitura de Toledo-PR