Coral Encanto de Viver retoma autoestima, incentiva a música e auxilia a comunidade

A gratidão e a solidariedade de mulheres que enfrentam e enfrentaram ou têm e tiveram familiares com câncer idealizaram e fundaram o Coral Encanto de Viver, em Toledo. As participantes manifestam por meio da música o agradecimento pelos cuidados recebidos de médicos, de enfermeiros e de familiares.

Ao criar e regularizar a instituição, a presidente Rosnei Adamns e as relações públicas Veronica Mareth e Eliane Krzyonoski (Lia) recordam que os principais objetivos eram manter o cuidado e a atenção durante e após o tratamento oncológico. “O Coral Encanto de Viver motiva e incentiva a união, a apreciação de música. Nós conseguimos vencer as batalhas com o apoio de familiares, amigos, entidades, cidadãos e comunidade em geral”.

Com o gosto comum ao canto e com a finalidade de unir vozes, mulheres da cidade e do interior idealizaram o Coral Encanto de Viver no dia 5 de novembro de 2018. “A criação do grupo foi uma forma de retribuir a si mesmas, à família, aos profissionais da saúde e à comunidade a atenção e o carinho recebidos, através de atividades do bem e prazerosas, como a música e o canto”, relembram Rosnei, Veronica e Eliane.

Desenvolver o canto em grupo, promover a harmonia, a integração e o lazer, estimular a memória, a postura corporal e a vocação musical, além de auxiliar pessoas necessitadas são os objetivos levados em considerações para os integrantes do Coral.

 

QUALIDADE DE VIDA – Com o foco na socialização, para elevar a autoestima, a alegria de viver e melhoria da qualidade de vida, envolvendo mulheres, homens, jovens e crianças, o Coral assume algumas atividades.

Ensaios semanais, apresentações em eventos comunitários e formações de parcerias com instituições são alguns dos compromissos das participantes. “Nós também promovemos os bazares beneficentes. Neles, são comercializados roupas, calçados, acessórios e outros produtos com valores simbólicos. Todos os materiais são doados por integrantes da instituição, familiares, empresas e outras entidades”, declaram a presidente e as relações públicas.

O Coral desenvolveu muitas atividades até o surgimento da Covid-19, uma doença que paralisou a cidade, o Estado, o País e boa parte do Mundo. “Após o final da pandemia, nós pretendemos retomar e ampliar as atividades, como ensaios e apresentações culturais, contação de histórias infantis, realizações de palestras sobre prevenção do câncer e ampliação da integração musical, social e solidária com outras entidades, o Poder Público e a comunidade”.

Nestas ações, além do canto, o Coral promove o estímulo da autoestima das integrantes e de familiares, além do apoio às pessoas e famílias da comunidade que enfrentam a grave enfermidade. “Só quem já teve câncer, tratou ou combateu conhece e dimensiona a doença”, afirmam Rosnei, Veronica e Eliane.

 

PROJETOS – Entre as ações que serão retomadas ou a partir de então desenvolvidas, destacam-se o projeto Contos e Cantos. As integrantes do grupo pretendem narrar histórias e apresentar cantigas infantis, especialmente para crianças internadas em hospitais ou que frequentam Centros de Educação Infantil (Cmeis), abrigos, eventos e praças públicas. “Atualmente, a pandemia do novo coronavírus trouxe mudanças na vida da população. Para o grupo não foi diferente, pois o projeto passou a ser realizado por meio de live em conjunto e/ou com o apoio das Secretarias Municipais da Cultura e da Comunicação, entre outros órgãos da Prefeitura de Toledo”.

Em eventos como os bazares solidários ou beneficentes, já com cinco edições realizadas, a última em duas etapas, o Coral conta com doações de roupas, calçados e utensílios diversos, sempre em bom estado, de parte de lojas, instituições e da sociedade.

As participantes do grupo salientam que os materiais são comercializados a baixo custo e beneficiam famílias dos bairros da cidade. Rosnei, Veronica e Eliane explicam que o Coral consegue arrecadar recursos indispensáveis à manutenção de suas atividades com os bazares. “Nós conseguimos a cobertura de despesas de atividades, como deslocamentos e aquisições de uniformes, equipamentos e outros itens essenciais às ações desenvolvidas”.

O coral ainda se mantém financeiramente com a realização do Baile Rosa realizado apenas em uma edição 2019, pois ele foi cancelado neste ano devido a pandemia. “O Coral não cobra mensalidades das integrantes e espera contar com o apoio dos voluntários, porque nós estamos abertas a acolher pessoas que desejarem colaborar com a causa e as atividades”, comenta as mulheres.

Neste ano, o Coral Encanto de Viver se reinventou na realização do Bazar Rosa Solidário e ele foi promovido em dois eventos. As integrantes do grupo realizam um trabalho preventivo para o câncer. “Com painel e exposição de frases de alerta sobre a importância dos cuidados com a saúde. Da mesma maneira, nós também presenteamos mulheres que visitaram o bazar com lembrete com agendamento de monografias e laços rosas”, salientam a presidente e as relações públicas.

Rosnei, Veronica e Eliane ponderam que o grande desafio do Coral é a superação e a cura do câncer, promovendo o bem-estar e autoestima das pessoas atingidas por esse mal e também auxiliar os familiares e os amigos.

Atualmente, o Coral Encanto de Viver conta com 26 integrantes e tem como regente o maestro e professor Nelson Engelmann. Os ensaios acontecem, semanalmente, na Casa da Cultura e tem capacidade de atender, além das coralistas, pessoas que se identifiquem com o canto e possuam interesse em ingressar no grupo musical, pois não há limitação do número de integrantes e nem exigência de formação musical de parte dos interessados.