Covid-19: aumento de casos preocupa Saúde e medidas preventivas são fundamentais

A confirmação de mais casos da Covid-19 é constante tanto em Toledo como na região. No município, o sistema ambulatorial, embora sobrecarregado, tem conseguido avaliar cada paciente.

De acordo com o diretor da Secretaria Municipal de Saúde Fernando Pedrotti, Toledo oferece o atendimento ambulatorial. Com Unidades Básicas de Saúde (UBSs) – consideradas referências para quem apresentar sintomas respiratórios – o cidadão é atendido no Cosmo e Panorama. “Nós reforçamos a equipe do Pronto Atendimento Municipal (PAM)”.

Mas a principal preocupação da Saúde de Toledo é com aquele caso grave, aquele paciente que apresenta complicações. “São pacientes, que naturalmente, apresentam necessidades de um leito hospitalar ou até mesmo de atendimento em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Observamos que já existe uma situação de colapso em toda Macrorregião Oeste de Saúde”, pondera Pedrotti.

COLAPSO – A Macrorregulação Oeste é dividida em cinco Regionais de Saúde: Pato Branco, Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Cascavel e Toledo.

Na última quarta (2), até às 9h30, dos 334 leitos de UTI SUS existentes e exclusivos ao enfrentamento da Covid, 329 estavam ocupados, ou sejam 98,5%. Já a ocupação dos leitos de enfermaria adulto estava em 81,6%. Isto é de um total de 429 leitos existentes, 350 estavam com pacientes. Porém, a demanda reprimida nas Regionais era de 221 pacientes, sendo 150 pacientes aguardando por um leito de UTI e 71 por uma vaga em enfermaria.

Pedrotti observa que existe uma situação de colapso no SUS quanto a existência de vagas de UTI Covid-19 adulta. “Essa situação se instalou há alguns dias e nós observamos que a rotatividade ou o acesso de pacientes se encontra reduzido. Com isso, um grande número de pessoas aguarda por um vaga em leito de UTI quanto em enfermaria”.

Por enquanto, Toledo tem conseguido prestar o primeiro atendimento, porém a preocupação é os números de casos elevados se manterem. “Nós tivemos um aumento rápido de novos casos. Neste sentido, nós fazemos um apelo para a população para medidas preventivas serem reforçadas”.

PREVENÇÃO – A pandemia é vivenciada pela sociedade há 15 meses e é fundamental manter o distanciamento social, o uso adequado de máscara em todos os ambientes, lavar as mãos com água e sabão (sempre que possível) e usar o álcool em gel.

Pedrotti enfatiza que as confraternizações com a família ou com amigos mais próximos devem ser evitadas. “Algumas hábitos que foram mantidos ao longo da vida, infelizmente, neste momento, não são possíveis. Nós vivemos uma situação diferente do cotidiano. Não devemos colocar a nossa vida ou de outras pessoas em risco”.

Outra maneira de prevenir a doença é tomar a vacina. O diretor salienta que ela tem se mostrado eficaz e segura. “De maneira clara, nós observamos que existe uma inversão no perfil do paciente internado no PAM. Antes da vacina, em torno de 20% a 25% dos pacientes tinham a faixa etária menor ou entre 60 e 70 anos e 70% a 75% tinham mais de 60 anos. Atualmente, o perfil é o oposto”.

Pedrotti revela que ao analisar o paciente com idade a ser vacinado, a equipe identifica que aquela pessoa não procurou a vacina. “Reforçamos que enquanto não chegar a vacina para toda a população, o único meio para evitar a proliferação ou o contágio do coronavírus é seguir o cuidado preventivo. Evitar aglomeração em ambiente mal ventilado”.

O diretor também menciona que a população deve buscar por informação em veículo ou local sério e evitar mensagens que desconhecem a origem. “Existem publicações absurdas ou desrespeitosas. Por isso, solicitamos que as pessoas não acreditem em informações Fake News. Nós temos locais confiáveis”.

Da Redação

TOLEDO