Covid-19: eventos em Toledo precisam seguir a risca os protocolos sanitários

Os decretos municipais 910 e 939/2020 autorizaram e estabeleceram os critérios para o funcionamento de várias atividades econômicas em um cenário profundamente alterado pela pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2). Entre os setores contemplados está o de organização de eventos, um dos mais afetados pela política de distanciamento social necessária para impedir a sobrecarga dos sistemas público e privado de saúde e, consequentemente, reduzir o número de mortes causados pela Covid-19.

O item 18 do anexo “Medidas, Orientações e Recomendações Sanitárias de Prevenção à Covid-19” contém 17 recomendações para “casas de eventos, salões, clubes, associações comunitárias, recreativas e afins, casamentos, formaturas, aniversários e demais confraternizações”, as quais precisam ser seguidas à risca, oferecendo diversão com segurança epidemiológica. Entre as principais estão o limite de lotação de 50% da capacidade máxima do espaço, higienização completa do ambiente antes e depois de cada evento, disponibilização de álcool gel e aferição da temperatura de todas as pessoas que adentrarem ao recinto, uso obrigatório da máscara de todos os participantes, organização do espaço para garantir uma distância mínima de 2 metros nas filas e mesas e de 1 metro entre as cadeiras, além de recomendações sobre ventilação dos salões, interdição de pistas de danças e a não presença de crianças e pessoas em grupos de risco para a Covid-19.

De acordo com a secretária de Saúde, Denise Liell, seguir estes preceitos é fundamental para o combate ao Sars-Cov-2 e para que a pandemia não volte a prejudicar o funcionamento das empresas deste setor. “Sempre buscamos o equilíbrio entre exploração econômica e prevenção ao novo coronavírus. Para que as medidas de flexibilização alcancem os efeitos desejados é necessário que todos se envolvam no cumprimento dos protocolos. Devem constar entre as ações a serem adotadas uma análise se este é o momento de promover atividades em que haverá a reunião de muitas pessoas, pois houve uma disparada de 240% no número de novos casos de Covid-19. Esta situação é muito séria e precisamos que todos sejam parceiros do município neste processo”, salienta.

A secretária também chama a atenção dos frequentadores destes espaços. “Estamos há oito meses em pandemia e compreendemos que as pessoas queiram se divertir, mas é preciso que elas sejam mais seletivas. Se determinado ambiente está superlotado, que não respeita distanciamento, por que vou lá, vou entrar neste evento? Além de se colocar em perigo, esta situação expõe aqueles que convivem com estes frequentadores. Justo agora, após uma melhora no quadro epidemiológico, estamos vendo um crescimento de novos casos de Covid-19 e não gostaríamos de ver nossa situação voltar a ser crítica”, alerta. 

Denise também manifesta preocupação com eventos realizados em vias públicas. “Sabemos que os empresários procuram seguir as normas regulamentadoras, porém os eventos realizados nas ruas, onde muitas pessoas ficam aglomeradas, também representam um risco para o controle da pandemia em Toledo. Situações assim jamais deveriam estar acontecendo e este é o momento de as pessoas se conscientizarem, pois este vírus, que é de alta contagiosidade e fatal em alguns casos, voltou a circular com força em nosso município”, adverte.

Os decretos municipais 910 e 939/2020 autorizaram e estabeleceram os critérios para o funcionamento de várias atividades econômicas em um cenário profundamente alterado pela pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2). Entre os setores contemplados está o de organização de eventos, um dos mais afetados pela política de distanciamento social necessária para impedir a sobrecarga dos sistemas público e privado de saúde e, consequentemente, reduzir o número de mortes causados pela Covid-19.

O item 18 do anexo “Medidas, Orientações e Recomendações Sanitárias de Prevenção à Covid-19” contém 17 recomendações para “casas de eventos, salões, clubes, associações comunitárias, recreativas e afins, casamentos, formaturas, aniversários e demais confraternizações”, as quais precisam ser seguidas à risca, oferecendo diversão com segurança epidemiológica. Entre as principais estão o limite de lotação de 50% da capacidade máxima do espaço, higienização completa do ambiente antes e depois de cada evento, disponibilização de álcool gel e aferição da temperatura de todas as pessoas que adentrarem ao recinto, uso obrigatório da máscara de todos os participantes, organização do espaço para garantir uma distância mínima de 2 metros nas filas e mesas e de 1 metro entre as cadeiras, além de recomendações sobre ventilação dos salões, interdição de pistas de danças e a não presença de crianças e pessoas em grupos de risco para a Covid-19.

De acordo com a secretária de Saúde, Denise Liell, seguir estes preceitos é fundamental para o combate ao Sars-Cov-2 e para que a pandemia não volte a prejudicar o funcionamento das empresas deste setor. “Sempre buscamos o equilíbrio entre exploração econômica e prevenção ao novo coronavírus. Para que as medidas de flexibilização alcancem os efeitos desejados é necessário que todos se envolvam no cumprimento dos protocolos. Devem constar entre as ações a serem adotadas uma análise se este é o momento de promover atividades em que haverá a reunião de muitas pessoas, pois houve uma disparada de 240% no número de novos casos de Covid-19. Esta situação é muito séria e precisamos que todos sejam parceiros do município neste processo”, salienta.

A secretária também chama a atenção dos frequentadores destes espaços. “Estamos há oito meses em pandemia e compreendemos que as pessoas queiram se divertir, mas é preciso que elas sejam mais seletivas. Se determinado ambiente está superlotado, que não respeita distanciamento, por que vou lá, vou entrar neste evento? Além de se colocar em perigo, esta situação expõe aqueles que convivem com estes frequentadores. Justo agora, após uma melhora no quadro epidemiológico, estamos vendo um crescimento de novos casos de Covid-19 e não gostaríamos de ver nossa situação voltar a ser crítica”, alerta. 

Denise também manifesta preocupação com eventos realizados em vias públicas. “Sabemos que os empresários procuram seguir as normas regulamentadoras, porém os eventos realizados nas ruas, onde muitas pessoas ficam aglomeradas, também representam um risco para o controle da pandemia em Toledo. Situações assim jamais deveriam estar acontecendo e este é o momento de as pessoas se conscientizarem, pois este vírus, que é de alta contagiosidade e fatal em alguns casos, voltou a circular com força em nosso município”, adverte.

Da Assessoria/Prefeitura de Toledo