Covid-19: Lacen habilita laboratório da UTFPR para analisar amostras RT-PCR

O Laboratório de Biotecnologia de Microrganismos (LaBIM), da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), campus Toledo, recebeu a declaração de habilitação junto ao Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen) para analisar as amostras RT-PCR, que detectam o vírus SARS-CoV-2. A informação foi repassada para a equipe na última sexta-feira (28).

O professor da área de biologia molecular – campo que trabalha com o RT-PCR – Thiago Cintra Maniglia, explica que o Laboratório está estruturado para realizar um eficiente diagnóstico da Covid-19. “O credenciamento no Lacen inclui a unidade no Sistema Estadual de Laboratório de Saúde Pública do Paraná e, inclusive, poderá analisar as amostras para a rede pública de saúde da 20ª Regional de Saúde de Toledo”.

Para a habilitação, Maniglia explica que o Lacen analisou a documentação e cinco amostras enviadas pelo LaBiM. Os resultados dos exames realizados com essas amostras na UTFPR e no Lacen tiveram concordância integral.

Diante do credenciamento, ele exemplifica que a equipe do Pronto Atendimento Municipal (PAM/Mini-hospital) realiza a coleta e a amostra era encaminhada ao Lacen, de Curitiba, para ser analisada. “Agora, a amostra pode ser encaminhada ao LaBIM, porque a habilitação nos permite processar o exame e emitir o laudo do resultado”, comenta o professor ao informar que o Laboratório da UTFPR não é autorizado a realizar a coleta.

AMOSTRAS – Maniglia menciona que a equipe do Laboratório está à disposição da população de Toledo e da região para auxiliar no combate e na contenção da Covid-19. O professor relata que os trabalhos no Laboratório ainda não começaram, no entanto, a equipe informou a Secretaria de Saúde de Toledo sobre a habilitação no Lacen e aguarda um retorno.

O Laboratório de Biotecnologia de Microrganismos da UTFPR, a princípio, possui uma capacidade de rotina considerada normal e poderá analisar 200 amostras por dia. Contudo, esse quantitativo poderá ser ampliado diante da necessidade e da demanda. “Dependemos dos insumos para realizar o nosso trabalho. Hoje, nós temos insumos suficientes, mas podemos solicitar uma nova demanda, se for preciso, ao Lacen. Acredito que o diálogo será contínuo”.

CONHECIMENTO – A equipe do LaBIM é composta por três professores, dois técnicos de laboratório, quatro alunos da graduação, uma de Mestrado e uma de Doutorado.

Maniglia salienta que o trabalho do Laboratório é uma área de atuação importante para os alunos de graduação em Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia e de Mestrado em Biocências, que são cursos ofertados na Universidade.

Conforme o professor, o laboratório abre as portas à comunidade para a prestação de serviços e de análises moleculares na área de saúde humana, como combate à dengue, saúde animal e em melhoramento genético.

O LABORATÓRIO – O LaBIM foi articulado pelo campus de Toledo e com as entidades parceiras. Ao todo, a unidade recebeu o investimento de R$ 235.685,00 doados pelo Ministério Público do Trabalho para compra de equipamentos e R$ 168.510,59 de recursos próprios da UTFPR para construção do laboratório de análises moleculares. O professor comenta que o laboratório possui o nível de segurança biológico Classe NB2 de aproximadamente 50 m². “Para o laboratório ser deste nível, nós precisamos seguir diversas normas, entre elas, a adequação do espaço para evitar a contaminação das amostras e do local”.

A Universidade também investiu mais R$ 44.000,00 de recursos próprios para compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e insumos para a realização dos exames.

O professor pontua que o processo para o funcionamento do Laboratório foi demorado, pois depende de uma regulamentação própria. Além disso, seguimos todos os trâmites burocráticos, como aprovar o projeto e, na sequência, aprovar a obra executada; além de adquirir a Licença Sanitária e o Alvará de Funcionamento. “Foi um longo período; mais de um ano para conseguirmos essa conquista e agora oferecermos os nossos serviços para a comunidade”, finaliza o professor.

Da Redação