Covid-19: Unidade de Saúde Sentinela é aprovada pela maioria dos vereadores

A implantação de uma Unidade de Saúde Sentinela na rede do Sistema Único de Saúde (SUS) de Toledo para o atendimento de pacientes sintomas da Covid-19 e a prescrição precoce de medicamentos pode ser realidade no Município. O Projeto de Lei nº 84 de 2021 que sugere essa implantação foi aprovado, ontem (12), por maioria na Câmara de Vereadores.

Antes do projeto ser encaminhado para votação, os parlamentares votaram uma emenda que sugeriu alterações, a qual também foi aprovada. De acordo com o parlamentar Marcelo Marques, as mudanças são consideradas sutis e elas se referem a suprimir pontos elencados pelo parecer jurídico que deixariam a matéria inconstitucional. “O objetivo desta emenda foi modificar artigos e suprimir algumas partes, como a parte que citava os medicamentos”.

ANÁLISE – Durante o seu pronunciamento, a vereadora Olinda Fiorentin explica que o PL pode ser analisado pela forma política ou tecnicamente. “Nós sabemos dos anseios das pessoas, mas também temos o conhecimento do posicionamento dos Conselhos. Sou a primeira a defender o direito de cada cidadão. Essa doença levou o meu único irmão. Será que eu perdi o meu irmão caçula por um dólar? Eu voto favorável e fico feliz que essa emenda apresentada na Casa tenha como base os ofícios que solicite que fossem anexados”.

O vereador Chumbinho Silva afirma que a vacina é essencial para auxiliar no combate ao coronavírus. Por sua vez, o tratamento precoce deveria ter sido implantado ainda no ano passado. “Se estamos em uma ‘guerra’ e essa é a nossa arma, devemos usá-la. Devemos respeitar a relação entre médico e paciente e também a vontade do cidadão em receber o tratamento imediato”.

CONTRÁRIO – O vereador Elton Welter decidiu votar contrário, porque acredita na pesquisa e na ciência. “Se os medicamentos fossem eficazes, já estariam disponíveis para a população. Se utilizados em demasia, os produtos podem trazer prejuízos à Saúde no futuro. O kit Covid contribui para o aumento do número de mortes”.

Welter pontua que negar a ciência é algo desastroso. “Eficaz seria ter comprado a vacina no tempo certo. O que é relevante? Vamos deixar os profissionais da Saúde receitarem o que é conveniente”.

COMPLEXIDADE – Em seu pronunciamento, o parlamentar Dudu Barbosa disse que nunca foi favorável ao regime de urgência devido a sua complexidade para vencer todas as comissões em um tempo adequado. “Fui voto vencido na Comissão em Saúde e rompemos um ciclo com esta matéria, porque todos os projetos sempre foram remitidos ao Conselho Municipal de Saúde para ser analisado, o qual é deliberativo e agora não aconteceu”, afirma Barbosa ao complementar que “não existiu o tempo adequado para fazer as discussões necessárias”.

Na ocasião, ele parabenizou a emenda apresentada pelo vereador Marcelo Marques e disse que votaria contrário ao PL devido a inconstitucionalidade ao ferir a Lei Orgânica. “Diante das modificações, sou favorável ao Projeto de Lei e vou dar o meu voto de confiança ao parlamentar. No primeiro turno, sou favorável ao projeto e analisarei se as alterações seguem o trâmite legal e constitucional”.

O vereador professor Oseias se sente feliz por ter contribuído no processo. “A Unidade Sentinela não vai descaracterizar nenhum auxílio ou ação médica. É uma própria organização e não vejo como interferir”.

Gilson Francisco afirma que, enquanto vereador, vai defender o interesse da população, contudo, ele acredita que o governo precisa criar a sua base de trabalho. “Sou favorável ao tratamento precoce. São vidas e são saúde”. Quem também votou a favor da matéria foi vereador Genivaldo Jesus. “Devemos pensar na vida e salvar vidas”.

O parlamentar Gabriel Baierle acredita que a emenda é importante, porque ela traz a legalidade no processo. “Se o cidadão quer o tratamento precoce, ele terá o direito. Nesta Unidade, estarão os médicos que prescrevem o tratamento. Mas, devemos lembrar que a liberdade de prescrever é do médico. Nós não discutimos a eficácia ou não do tratamento, e sim, a oportunidade de cada cidadão ter acesso ao medicamento e ele está disponível na rede pública desde o ano passado”.

RESPEITO – A vereadora Marly Zanete também é favorável ao projeto e salienta que ficará feliz diante de sua aprovação. Ela explica que não dá para presenciar mais o sofrimento da população. “As pessoas me ligam e pedem em qual lugar ir para receber a prescrição do tratamento imediato. Nós temos que ter certeza que quando vamos em um local poderemos ter a prescrição desejada”.

O vereador Valdir Rossetto pondera que o Município deve utilizar das ‘armas’ que possui para essa ‘guerra’ chamada Covid-19. “Nós somos favoráveis ao tratamento precoce que vai nos auxiliar até que todas as pessoas sejam vacinadas”.

Quem também é favorável ao tratamento imediato e a matéria é o vereador Jozimar Polasso. Ele esclarece que os medicamentos fizeram a diferença para a sua recuperação quando foi contaminado pelo vírus. “Respeito a ciência e os cientistas, mas acredito e confio no tratamento imediato”.

O vereador Beto Scain menciona que “a discussão não deve ser levada para o lado se o medicamento é eficaz, e sim, a matéria solicita que tenha um local com equipe para distribuir os medicamentos”.

O vereador Genivaldo Paes relata que o cidadão que busca pelo tratamento precoce deve ser respeitado. Já o parlamentar Pedro Varela pontua que sempre se discutiu o tratamento precoce para ter uma imunidade alta no organismo.

Da Redação

TOLEDO