Dançar faz bem para o corpo e a alma

A dança é uma atividade completa, na visão da professora de educação física e focalizadora de danças circulares, Josiane Benvenutti. Para ela, a dança é uma manifestação cultural que transmite emoções para aqueles que praticam e também aos admiradores da arte.

Gravada na história da humanidade, a dança deixou milhares de registros e inúmeros simbolismos. Ela é uma forma de agradecer por uma boa colheita, pela chuva, usada em rituais religiosos, artísticos e comemorativos.

Atualmente, muitas pessoas também dançam em busca de qualidade de vida e entretenimento. A professora cita que a dança é carregada de movimentos expressivos. Mesmo nos estilos que exigem técnicas elaboradas, a dança se transforma na expressão de cada ser humano.

“A dança é considera uma atividade extremamente completa porque temos que relacionar o pensamento com a execução do movimento todo o tempo, inclusive as músicas e ritmos que estão sendo tocados. É uma arte desafiadora”.

CURA – A professora com formação no PDE em Dança Escolar cita o pensamento do criador da dança circular Bernhard Wosien para explicar os benefícios que a dança traz para o ser humano.

“Bernhard Wosien diz que a dança em alto grau tem um significado terapêutico de pedagogia da cura. Os benefícios de qualquer tipo de dança são muitos e como atividade física ela promove o bem estar físico em todos os sentidos”, pontua Josiane.

MELHORIAS – Como atividade física, para dançar é preciso estar com boa condição de saúde. A avaliação de um médico pode direcionar para as modalidades mais leves ou intensas. Como uma atividade que exige movimento de todo o corpo, a dança melhora a coordenação motora, cardiorrespiratória, também promove um fortalecimento muscular e a flexibilidade dependendo da amplitude dos movimentos.

“Ela é uma atividade que geralmente é executada em grupos e o grupo ou os seus pares permitem a interação entre os dançarinos. Acontece a troca de energias na dança que sempre considero energias boas. No caso da dança circular isso é muito forte porque nós dançamos em círculo que tem o significado da igualdade quando ninguém está na frente de ninguém, e sim ao lado”, salienta ao lembrar que antes da pandemia esse tipo de dança era de mãos dadas. “Por que as mãos significam a troca de energias: a mão esquerda, que é a mão do coração, passa a energia e a mão direita recebe essa energia”.

PRÁTICA – A dança é uma das artes mais antigas da humanidade e muito democrática. Ela pode ser praticada por pessoas de todas as idades. É claro que em algumas fases da vida, ela pode ter um significado diferente. Josiane enfatiza que na infância, quando as crianças estão construindo seu repertório motor, elas precisam vivenciar diferentes tipos de dança para identificar o que realmente elas gostam e para aprender novos movimentos.

Já os adultos vão escolher o tipo de dança que mais se identificam. O mesmo acontece com a população da terceira idade. “É claro que é importante analisar como está o corpo da pessoa que está dançando, qual a sua mobilidade, se tem alguma restrição. Tudo isso depende do tipo de dança que vai escolher. No caso da dança circular quase não há restrições. Ela é vivenciada em grupo quando um ajuda o outro. Nós dançamos músicas do mundo inteiro. A dança circular é a meditação em movimento”, conclui.

Da Redação

TOLEDO