Delegada da mulher enfatiza a importância de denunciar casos de violência

A mulher que era mantida em cárcere privado e situação de violência conseguiu fugir do agressor e denunciar os crimes de violência na Delegacia da Mulher. O caso ocorreu há duas semanas. A delegada Fernanda Lima Moretzsohn comenta que o caso corre em segredo de Justiça.

A vítima é acompanhada por um coletivo de mulheres, uma organização pela defesa ampla e universal das mulheres e já teve acesso a atendimento médico e psicológico, bem como a um lugar seguro para estar com seu filho.

Apesar do acolhimento que a vítima tem pelo coletivo de mulheres, a delegada enfatiza a importância de ter uma Casa Abrigo no município para prestar atendimento, acolhimento e estrutura para mulheres e crianças em situação de vulnerabilidade e violência.

“Infelizmente Toledo não tem uma Casa Abrigo como outras cidades do Paraná. O espaço é essencial para essas mulheres. Atualmente, ao fazer o boletim de ocorrência essas mulheres são encaminhadas para o Município, por meio da Secretaria de Políticas para Mulheres que tem um programa social onde eles destinam algumas casas com aluguel social para vítimas de violência”.

IMPORTÂNCIA – Apesar de não estar dentro das suas funções profissionais, a delegada Fernanda conta que já fez contato com representantes do Legislativo de Toledo apresentando a demanda para viabilizarem a implantação da Casa Abrigo. Ela pontua que em outras cidades que contam com a estrutura de uma Casa Abrigo, a mulher em situação de vulnerabilidade e violência é encaminhada com os filhos para o local que oferece uma estrutura completa de acolhimento e assistência, com total sigilo que garanta a segurança dessa mulher.

“Muitas vezes, a mulher vítima de violência depende, inclusive, financeiramente do marido, o agressor. Se ela deixa de denunciar, ela não terá condição de receber o atendimento especializado em um local seguro e da oportunidade de retomar a sua vida através da assistência que ela recebe. Por isso, é importante denunciar”, finaliza a delegada.

Da Redação

TOLEDO