Demandas: Movimento Re-Criare Down e Poder Público participam de reunião

Os integrantes do Movimento Re-Criare Down estiveram reunidos com representantes do Poder Público e do Ministério Público do Paraná (MPPR) da Comarca de Toledo no começo deste mês. A reunião aconteceu após membros do Movimento entregarem uma carta com reivindicações ao prefeito Beto Lunitti, em março, durante o piquenique do grupo realizado no Parque Frei Alceu.

São obstáculos enfrentados pelas famílias de crianças e de adolescentes com síndrome de Down em atendimentos nos setores da Educação, Cultura e Esporte. “A finalidade da reunião foi buscar uma solução com o prefeito e sua equipe para melhorar o atendimento da pessoa com síndrome de Down na cidade”, afirma a integrante e líder do Re-Criare Down, Iria Schwarzbold – mãe da pequena Isabela.

Segundo Iria, uma das demandas do Movimento é a falta de professores auxiliares nas escolas. Sobre esse assunto o prefeito disse que foram chamados mais de 200 profissionais e que muitos não assumiram o cargo. Situação semelhante acontece na Saúde, pois muitos profissionais são chamados por meio de concurso, mas não assumem. Na oportunidade, o gestor revelou a possibilidade de contratar mais de 40 professores.

Sobre a Saúde, Iria comenta que foi abordado sobre o Ambulatório Materno Infantil (AME) que atende crianças até mil dias do nascimento, que para atendimento é necessário passar pela Unidade Básica de Saúde (UBS).

PLANEJAMENTO – Quem também participou da reunião, de acordo com Iria, foi o promotor de Justiça, José Roberto Moreira. “Ele fez uma explanação relatando que os problemas com Educação podem ser menos complexos para a busca de uma solução em comparação com os da Saúde, que são considerados mais graves. Moreira orientou que o grupo observasse se o gestor está fazendo a parte dele e se não está sendo omisso”.

A integrante do Re-Criare Down menciona que o promotor ainda indagou se a gestão planeja melhorar os atendimentos e solicitou explicação de como está funcionado do sistema de rodízio do atendimento para pessoas com Autismo no CAPS I. “Naquele momento, a secretária de Saúde, Gabriela Kucharski explicou que os rodízios acontecem nos casos leves ou moderados e que realizam treinamentos com os cuidadores para repetirem em casa. Contudo, são os profissionais que realizam o acompanhamento”.

Sobre o atendimento com fonoaudióloga, Iria destaca que a secretária pontuou que a situação é crônica e ela ocorre, inclusive, em gestões anteriores. “A gestão pretende encaminhar um profissional da Saúde Mental para a Central de Especialidade. O objetivo é melhorar e reduzir o tempo de espera para o atendimento”, relata a integrante do Movimento ao mencionar que a Saúde pretende realizar uma avaliação e qualificação dos casos mais urgentes.

O Re-Criare Down ainda apresenta necessidades nas especialidades de endocrinologia e cardiologia. Atualmente, o Município não possui profissional disponível para ser chamado e quanto a endócrino não houve interesse de profissionais para participar dos mutirões realizados. Uma boa notícia para o Movimento é a contratação de neuropediatra. Atualmente, o Município possui dois profissionais atuando.

Na ocasião, Iria recorda que a secretária de Saúde mencionou sobre a implantação de um Centro de Reabilitação para Pessoas com Deficiências Físicas e Intelectuais e o Município aguarda a liberação do Governo Estadual.

ORGANIZAÇÃO – De acordo com a integrante do Movimento, o objetivo da Prefeitura de Toledo é organizar a Central de Especialidades para suprir a falta de atendimentos das especialidades, inclusive em fonoaudiologia. O gestor ainda idealiza a abertura de uma UPA Pediátrica. “Além disso, está em andamento a compra de dois aparelhos para exames de Bera (exame que avalia o sistema auditivo) e a Saúde vai organizar uma visita de duas ou três pessoas do nosso grupo para conhecer o Ambulatório Materno Infantil”.

MAIS DEMANDAS – As famílias integrantes do Movimento Re-Criare Down ainda desejam que novas turmas sejam abertas, sendo uma delas para crianças menores. “A secretária Marli Gonçalves Costa disse que para aquele momento não havia condições de atender as solicitações, porém pretende reunir profissionais para estudar o assunto”, lembra. Por sua vez, a Secretaria de Desenvolvimento Humano e Juventude vai analisar com os profissionais que atendem nos Centros da Juventude se há possibilidade de atender as solicitações de abrir turmas de natação por eles. “Infelizmente sobre a questão da musicalização não tinha representes da Secretaria da Cultura nem do CIPE”, salienta Iria.

Conforme a integrante do Movimento Re-Criare Down, o encontro com a gestão, de maneira geral, foi positiva. “As nossas solicitações não serão atendidas de imediato devido à ausência de profissionais. Mas, nós tivemos explicações detalhadas sobre os assuntos e sabemos que o prefeito e sua equipe planejam e, futuramente, muitas das nossas demandas poderão ser atendidas. Estamos confiantes!”, finaliza Iria.

Atendimentos para menores de 7 anos:

– Natação;

– Atividades com exercícios funcionais;

– Musicalização ou musicoterapia;

– Auxiliar nos Cmeis.

Atendimentos para todas as idades:

– Fonoaudiologia;

– Equoterapia;

– Especialidades: cardiologia, endocrinologia, neurologia, psicologia, hidroterapia e fisioterapia;

– Disponibilizar auxiliar nas salas de aula, em todas as séries, incluindo os Cmeis;

– Incluir a Síndrome de Down nos atendimentos do CIPE, como prioridade;

– Disponibilizar horário para natação no período vespertino e também, para quem tem menos de 135 cm.

Da Redação

TOLEDO