Direitos e deveres: cada condutor é responsável por sua atitude no trânsito

Com a publicação da Lei 14.071, aprovada no ano passado, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) passou por algumas alterações e elas entraram em vigor nesta semana. A atualização traz desde a dispensa do porte de documento de habilitação, para quando for possível a consulta no sistema pelos agentes, como também regras para transporte de crianças em automóveis e motocicletas até o aumento do limite de pontos que um condutor pode ter antes de ter a Carteira de Nacional de Habilitação (CNH) suspensa.

Em muitos momentos, o trânsito é um local inseguro, ocasionando acidentes graves, traumas e mortes. Especialistas da área alertam que as alterações no Código podem ocasionar comportamentos imprudentes. Com isso, um dos desafios é o comportamento de cada usuário do trânsito, desde o condutor ao volante, o motociclista, o ciclista e o pedestre, ser prudente.

De acordo com a psicóloga clínica, Especialista Comportamental, Simone Fidelis Kortz, a sociedade deve manter um comportamento padrão, porque ela é regida por regra. No trânsito, o Código e as normas são considerados eficazes, pois cada um é responsável por tornar o ambiente um local seguro.

Simone explica que o cidadão pode considerar determinadas alterações no Código Brasileiro de Trânsito como medidas flexíveis. “O resultado poderá não ser positivo”, observa a profissional.

A psicologia, classificada como ciência preocupada com o comportamento humano (em sua totalidade), com as suas relações, abordagens psicológicas oriundas de diferentes filosofias, dentre as quais está disponível a abordagem de investigação conceitual, empírica e aplicada do comportamento, mais precisamente, a ciência do comportamento.

Em tese, o comportamento de cada pessoa deveria ser para o bem comum. Simone esclarece que as Leis com as suas normas e medidas são consideradas essenciais para a condução de uma sociedade. “Quando o comportamento é rígido por regras, ele tende a ser adequado. Por sua vez, se existir a tendência da norma ser flexível, o cidadão poderá ter essa compreensão e, por consequência, uma possível conduta inadequada. Essa sensação poderá ser observada no trânsito”.

A psicóloga ainda analisa que as alterações não devem interferir para aquele condutor que já seguia as normas antes mesmo das mudanças. “Porém, aquele cidadão que já apresentava um comportamento inadequado, as mudanças podem refletir de uma maneira diferente”. A profissional não descarta a possibilidade da ocorrência de mais acidentes.

ORIENTAÇÃO – Conforme a psicóloga Simone, a boa convivência entre o usuário é importante no trânsito. “Além disso, cada cidadão deve conhecer o seu direito e também o seu dever. Em muitos momentos, os direitos são preservados diante de uma norma respeitada”.

Por exemplo: um condutor consumiu bebida alcoólica acima do limite. No trânsito, ele invadiu uma preferencial e atropelou uma pessoa, tirando a vida da vítima. A psicóloga explica que esse condutor teve vários comportamentos inadequados, desde a ingestão de bebida alcoólica, dirigir e invadir a preferencial. “As regras do CTB não foram respeitadas e a consequência foi séria. A flexibilização pode trazer essa sensação para alguns condutores. Qual é a possibilidade desta pessoa voltar a ingerir bebida alcoólica e dirigir? Na minha opinião, caso ela não tenha compreendido tudo o que vivenciou ou causou, a resposta é maior”.

Simone salienta que quando o usuário desconhece o seu dever, ele pensa no seu direito, porém não analisa a consequência e, por isso, os acidentes podem ser registrados. “O condutor não precisa mudar o seu comportamento a partir de uma consequência, e sim, as regras existem e elas precisam ser seguidas”.

A psicologia comportamental pode colaborar na conscientização do processo e na importância de respeitar as Leis. “Ações educativas são eficientes”, afirma Simone ao destacar que a mudança comportamental não é fácil e ela cita o exemplo de uma pessoa que nunca praticou esporte. “Para ela é algo novo e a mudança ocasionaria dificuldade. A persistência é fundamental tanto ao praticar um esporte como também ao ser um elemento no trânsito”. O melhor comportamento é seguir as normas.

Da Redação

TOLEDO